Eu e ela

Por Rosangela Bion de Assis, para Desacato.info.

A máquina de costura da minha avó ficava num rancho de madeira.

Ela ganhou do pai quando tinha 13 anos

Daquela máquina saíram todos os vestidos que usei até a adolescência.

Até o branco da primeira comunhão com o véu de bolinhas que ela costurou no arco junto com as flores.

Ninguém da família frequentava a igreja, naquela época, mas eu pedi para fazer a Eucaristia.

– Lá estão os piores, disse minha avó; mas só ensinam coisas boas, completou.

Pedia para eu colocar a linha na agulha e ficava bem feliz quando eu achava uma entre as frestas do chão de madeira.

– Toda mulher tem que estudar para não depender de homem.

Dizia, quando me via lendo.

– E ter seu emprego, completava.

O som da tesoura cortando o tecido, colocado sobre o molde de papel, embalavam minha imaginação.

Nas lojas do centro, ela observava o modelo, estudada cada detalhe, para fazer igual para mim.

Guardei algumas dessas preciosidades para minhas filhas e umas poucas ainda resistem.

O rancho de madeira foi desfeito, o vestido amarelou, minha avó fez 98, mas ainda fala alto o que pensa.

Rosangela Bion de Assis é jornalista, poetisa e presidenta da Cooperativa Comunicacional Sul.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.