Estudantes de Serviço Social da UFSC foram vítimas de agressão lesbofóbica

Depoimento de Luana Costa.

Alerta de gatilho: violência; gênero; lesbofobia.

1. Vou tentar tirar todas as dúvidas que a mim tem sido direcionadas nos últimos dias. Eu tava tentando me esconder, contando pela metade, sentindo sei lá – vergonha do jeito que as pessoas na rua olhavam pra mim. E na real: foda-se. Eu não tenho que sentir vergonha desse olho (que garanto, pessoalmente ta infinitamente mais bizarro com uns bagulho estourado na esclerótica). E aí vou tentar juntar tudo aqui pra compartilhar com minhas manas, minha família, todas as companheiras que senti vontade de abraçar e os macho escroto gggg que eu to ligada que precisam de um choque de real Emoticon heart

2. Minha virada de ano foi incrível: acompanhada de pessoas que gosto com uma energia maravilhosa. Até eu me sentir livre o suficiente para, depois de pular minhas 7 ondinhas, entrar no mar acompanhada e entender que, na verdade, não. Que na verdade não, acham que o meu corpo não é meu, e se eu não me pertenço, minha liberdade sexual é, no mínimo, uma falácia.
E é isso: passaram dois caras. Pararam. Acharam massa incomodar… Apareceram mais quatro.
“Se você quer ser homem, vai apanhar como um”, ela ouviu como já ouviu durante muito tempo e como já apanhou durante muito tempo. Eu me enfiei na frente, não queria que ela ouvisse. Não de novo. Apanhei junto. Puxei quatro deles pra conversar e ela não ouvir mais. Ela apanhou mais.
Um casal de amigas que estavam conosco entrou no rolê e se fodeu também – uma delas levou na cara. Mais uma. Só mais uma.
E o que muda agora?

3. Sim, depois de dois dias, a gente criou coragem e se preparou pra um possível tratamento de merda na delegacia da mulher. E não é que, opa, não foi tão ruim assim?!
“Vocês acham que o que aconteceu foi relacionado a orientação sexual de vocês?”, “Qual o seu gênero, >andreógena<, feminino, masculino…?”, “E qual sua orientação sexual? Lésbica?! Ah, homossexual…”, “E além disso, aconteceu alguma outra coisa?”

4. Sei lá, sabe, eu poderia escrever MUITA coisa a respeito do que rolou e como eu to me sentindo em relação a isso. Mas to ligada que a merda poderia ter sido MUITO maior, e tem mana que passa por coisa mais fodida, não pode nem se autoafirmar, todos os dias, em todos os lugares… É só foda. Foda demais.
Então assim: não, não ta tudo bem.

5. E aí, àquele escroto que acertou a gente e me falou que “o problema não é você, linda”, eu queria dizer que sim, o problema também sou eu. Eu sou tão lésbica quanto ela. E que linda, a primeira mina que ele acertou, é muito. É linda demais, e eu tô extremamente agradecida por, já que isso teve que acontecer, ter rolado com ela: sapatão convicta, lésbica resistente, mina que apanhou enquanto mina, levantou enquanto mina, cuidou de mim com o braço fodido na tala enquanto mina, e que é muito dona de si pra que digam o que ela é ou deveria ser. E ela só é incrível.

6. Quanto ao silenciamento: espero que entendam porque eu bato tanto nessa tecla em qualquer espaço político que eu ocupo. Não é à toa que eu decidi jogar essa merda no ventilador.

AVANTE, SAPATÃO!

Fonte: UàE e https://www.facebook.com/lu3costa/posts/1318887991470741

3 COMENTÁRIOS

  1. Mexeu com uma, mexeu com todas! Podem ter certeza que não estão sozinhas nessa luta! Meus sentimentos como irmã mulher!

Deixe uma resposta para nana wordell Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.