Estados europeus acentuam ingerência e reconhecem Guiadó


Encontro do Ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, e do Secretário de Estado norte-americano Michael Pompeo, em Washington, junho de 2018. Foto: US Department of State

De momento, a lista de países europeus que já anunciaram o reconhecimento de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela engloba Portugal, França, Estado espanhol, Reino Unido, Áustria e a Suécia. Outros países, como a Alemanha e a Holanda, devem também dar seguimento ao ultimato que lançaram.

A tentativa de um reconhecimento oficial por parte da União Europeia (UE) foi bloqueada pela Itália, que usou o seu poder de veto para bloquear a decisão. A interferência nos assuntos internos da Venezuela não é de todo consensual, o que levou aos reconhecimentos em separado.

A ingerência dá seguimento ao ultimato lançado a 26 de Janeiro por vários estados da UE que, à revelia do direito internacional e em desrespeito pela ordem constitucional vigente, deram oito dias ao presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro, para convocar o que chamam de «eleições livres e transparentes».

A UE ameaçou que, se tal não acontecesse, reconheceria o autoproclamado Guaidó «como presidente da Venezuela», obviando o facto de, em maio, o povo venezuelano ter eleito Nicolás Maduro com mais de 67% dos votos, num acto eleitoral em que participou uma considerável parte da oposição.

O acto eleitoral, que se tratou de uma antecipação das eleições presidenciais, no seguimento das negociações com a oposição e do «acordo de convivência», ambos mediados pelo ex-primeiro ministro espanhol José Luis Zapatero, não teve a participação do partido de extrema-direita de Juan Guaidó.

Ultimato é da «época dos impérios, das colónias»

Este domingo, o presidente Nicolás Maduro, numa entrevista ao programa “Salvados” da estação espanhola La Sexta, voltou a acusar a UE de ter uma postura colonialista e de estar em linha com a intentona organizada pela administração de Donald Trump.

«Não aceitamos um ultimato de ninguém. É como se eu dissesse à UE: dou sete dias para reconhecer a República da Catalunha, ou se não vamos agir. A política internacional não pode ser baseada em ultimatos. Essa é a época dos impérios, das colónias», denunciou.

Para Nicolás Maduro, a autoproclamação de Guiadó foi claramente orquestrada pela administração de Donald Trump, dando continuidade ao plano de golpe, que tem sido fomentado com sanções com vista a estrangular a economia frágil da Venezuela. E deixou uma mensagem clara ao presidente norte-americano.

«Querem voltar a um século XX de golpes militares, de governos fantoches subordinados aos seus comandos e de saque aos nossos recursos naturais. Esse tempo acabou: o século XXI está avançando. A América Latina e o Caribe não voltarão a ser o quintal dos Estados Unidos» reiterou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.