“Esqueçam o que escrevi”: juristas apontam paradoxos de ministro Moro

Ao contrário do que juiz Moro afirmou quando disse que caixa dois era mais grave que corrupção, ministro Moro é muito mais contemporizador

Foto: Lula Marques/Ag PT.

Por Brenno Tardelli.

Ao comentar o pacote de leis anticrimes que foram assinadas hoje por seu presidente Jair Bolsonaro, o ministro da justiça Sergio Moro concedeu entrevista coletiva sobre o projeto e teve de se justificar sobre a negociação que tornou a parte do projeto a discussão do caixa dois. Foi quando o ministro ex-juiz da Lava Jato afirmou:

“Houve uma reclamação por parte de alguns agentes políticos de que o caixa 2 é um crime grave, mas não tem a mesma gravidade que corrupção, que crime organizado e crimes violentos”.

A declaração do Moro ministro é o oposto do que o Moro juiz afirmara. Nos EUA, em 2017, durante palestra para brasileiros na Universidade de Harvard, o ex-juiz foi muito mais duro e chegou a afirmar que o caixa dois era uma prática inclusive mais grave do que a corrupção.

Eram outros tempos, o ministro estava no auge de sua incessante caça ao ex-presidente Lula, que à época enfrentava a acusação do Triplex no Guarujá. Vale lembrar que caixa dois é o uso e movimentação de dinheiro fora da contabilidade oficial, enquanto a corrupção é a cobrança por um agente público para praticar determinado ato de ofício.

“Caixa 2 nas eleições é trapaça, é um crime contra a democracia. Me causa espécie quando alguns sugerem fazer uma distinção entre a corrupção para fins de enriquecimento ilícito e a corrupção para fins de financiamento ilícito de campanha eleitoral. Para mim a corrupção para financiamento de campanha é pior que para o enriquecimento ilícito”, afirmou Sergio Moro.

À CartaCapital, juristas comentaram as declarações do hoje ministro da justiça. O Professor de Direito Constitucional na PUC-SP e colunista no site Pedro Estevam Serrano afirmou que, de fato, o caixa dois é menos grave do que a corrupção. “O que estranha é que a opinião parece do ministro mudar de acordo com quem esta envolvido”, apontou.

Já o criminalista Aury Lopes Jr, professor Direito Processual Penal da PUC-RS, perguntado sobre a mudança de posicionamento do ministro, afirmou que o contraste é fruto da transição de juiz para ministro.

Juízes não devem corresponder as expectativas políticas geradas e nem sociais, pois sua função é inclusive ser contramajoritário. Mas um ministro de Estado não, ele é um agente político e, como tal, deve ter uma postura política, afirmou Aury.

O criminalista apontou do quanto o político Moro tem se deslocado do juiz Moro e lembrou a famosa frase da um ex-presidente sociólogo – “o interessante é ver o quanto o atual Ministro Moro precisa se descolar do fantasma do Juiz Moro. Não tardará em dizer: esqueçam o que eu escrevi, falei, julguei…”, completou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.