Envenenando a população: conluio de agroquímicos tóxicos e orgãos reguladores com a indústria

Foto: 1737576 em Pixabay

Por Colin Todhunter.

Em janeiro de 2019, a campanha do Dr. Rosemary Mason apresentou uma queixa ao Provedor de Justiça Europeu acusando as agências reguladoras europeias de colusão com a indústria agroquímica. Isto foi na sequência de um importante artigo de Charles Benbrook sobre a genotoxicidade dos herbicidas à base de glifosato que apareceram na revista Environmental Sciences Europe.

Em um passo incomum, o editor-chefe da revista, o professor Henner Hollert, e seu co-autor, o professor Thomas Backhaus, emitiram uma forte declaração em apoio à aceitação do artigo do Dr. Benbrook para publicação. Em um comentário publicado na mesma edição da revista, eles escrevem:

    Estamos convencidos de que o artigo fornece novas compreensões sobre por que diferentes conclusões sobre a carcinogenicidade do glifosato e dos GBHs [herbicidas à base de glifosato] foram alcançados pela EPA e pela IARC dos EUA. É uma importante contribuição para a discussão sobre a genotoxicidade dos GBHs.
    A avaliação da IARC (Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer) baseou-se fortemente em estudos capazes de lançar luz sobre a distribuição de riscos reais e risco de genotoxicidade em populações humanas expostas, enquanto a avaliação da EPA (Agência de Proteção Ambiental) colocou pouco ou nenhum peso em tal evidência.

Até então, o Dr. Mason havia escrito para a Agência Europeia de Produtos Químicos (ECHA), a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) e a Comissão da UE por um período de 18 meses, questionando-os sobre a avaliação positiva do glifosato pela ECHA. Muitas pessoas ao redor do mundo se esforçaram para entender como e por que a EPA e a EFSA concluíram que o glifosato não é genotóxico (danoso ao DNA) ou carcinogênico, enquanto a agência de câncer da Organização Mundial de Saúde, a IARC, chegou à conclusão oposta.

A IARC afirmou que a evidência do potencial genotóxico do glifosato é “forte” e que o glifosato é um provável carcinógeno humano. Enquanto o IARC referenciava apenas estudos revisados ??por pares e relatórios disponíveis na literatura pública, a EPA dependia fortemente de estudos regulatórios não publicados encomendados por fabricantes de pesticidas.

De fato, 95 dos 151 ensaios de genotoxicidade citados na avaliação da EPA foram de estudos da indústria (63%), enquanto o IARC citou fontes de literatura pública de 100%. Outra diferença importante é que a EPA concentrou sua análise no glifosato em sua forma química pura, ou “glifosato técnico”. O problema é que quase ninguém é exposto ao glifosato sozinho. Os aplicadores e o público estão expostos a formulações completas de herbicidas que consistem em glifosato e ingredientes adicionados (adjuvantes). As formulações foram repetidamente mostradas como sendo mais tóxicas do que o glifosato isoladamente.

Rejeição da queixa do Dr. Mason

O Provedor de Justiça Europeu rejeitou agora a queixa de Rosemary Mason, que por sua vez escreveu uma resposta de 25 páginas, documentando os impactos abrangentes do Roundup à base de glifosato e de outros agroquímicos na saúde humana e no ambiente. Ela também descreve os vários níveis de duplicidade que permitiram que muitos desses produtos químicos permanecessem no mercado comercial.

Mason é levado a concluir que, devido à rejeição da sua queixa (como com os outros apresentados por ela ao Provedor de Justiça), o Provedor de Justiça Europeu também faz parte do problema e colabora essencialmente com as autoridades europeias reguladoras de pesticidas. Mason abordou essa preocupação diretamente para Emily O’Reilly, que atualmente ocupa o cargo de ombudsman européia:

    Na sua rejeição de todas as minhas reclamações nos últimos anos, está claro que a Ouvidoria está protegendo as autoridades regulatórias europeias de pesticidas, que por sua vez são controladas pelo Grupo de Trabalho Europeu sobre Glifosato…. Você fechou os olhos para a autorização de muitos dos pesticidas tóxicos que estão hoje no mercado porque a indústria está autorizada a se auto-regular.

Alguns dos pontos-chave, reivindicações e questões levantadas no novo relatório de Mason, intitulado “O Provedor de Justiça Europeu está em conluio com as Autoridades Europeias Reguladoras de Pesticidas” incluem:

  • As autoridades reguladoras europeias em matéria de pesticidas e o Provedor de Justiça Europeu estão em conluio com a indústria, o que resulta no envenenamento dos seres humanos e do ambiente;
  • Cancer Research UK não está abordando o impacto dos agrotóxicos porque está fortemente comprometida pelos interesses da indústria e, portanto, afirma que “há poucas evidências de que os pesticidas causam câncer”;
  • UK Science Media Center é uma organização de lobby da indústria, que alimenta a mídia mais ampla e seus jornalistas com informações falsas e falsas sobre agrotóxicos;
  • Grupo da indústria A Força-Tarefa Européia para o Glifosato (GTF) tem sido fundamental para assegurar o novo licenciamento do glifosato na UE;
  • Má administração e conluio criminoso com a indústria agroquímica resultaram na renovação do registo do glifosato na UE;
  • O relatório toca na condenação da classificação positiva do glifosato pela ECHA pelos juízes do Tribunal Internacional da Monsanto;
  • O apocalipse global de insetos e o impacto da agricultura e pesticidas intensivos são catastróficos;
  • Crianças e adultos diminuem a acuidade mental e exibem níveis crescentes de distúrbios mentais, depressão, suicídios e ansiedade como resultado da exposição a agroquímicos;
  • Os estudos secretos da Monsanto mostram que a empresa sabia sobre o impacto de seu produto em cânceres e danos oculares;
  • O relatório menciona o especialista da ONU no chamado Toxins Baskut Tuncakpara colocar a saúde das crianças antes dos pesticidas;
  • Mason descreve o envenenamento da comida britânica: os cereais matinais têm altos níveis de glifosato;
  • Ela observa que 30.000 médicos e profissionais de saúde na Argentina exigiram a proibição do glifosato;
  • A declaração do Instituto Nacional do Câncer do Brasil de que culturas geneticamente modificadas estão causando o uso massivo de pesticidas é mencionada;
  • A independência das decisões regulatórias tomadas pela Autoridade Australiana de Pesticidas e Medicamentos Veterinários (APVMA) foi prejudicada por doações políticas ao Partido Trabalhista e à Coalizão. No ano financeiro de 2017-18, a Bayer doou US$ 40.600 para o Partido Trabalhista e US$ 42.540 para a Coalizão, com a CropLife doando US$ 34.271 para o Partido Trabalhista e US$ 22.300 para a Coalizão;
  • Como resultado, a APVMA está permitindo que a clotianidina e o Roundup sejam aplicados em plantações em áreas de baixa altitude que drenam para a Grande Barreira de Corais; e,
  • Por sua vez, o envenenamento da Grande Barreira de Corais está ocorrendo devido ao impacto de herbicidas e inseticidas de ação prolongada.

Existem inúmeros outros pontos importantes e questões abordadas no relatório, que os leitores são convidados a ler na íntegra. Mason nomeia indivíduos-chave e fornece todos os links relevantes para pesquisas, relatórios e artigos. Você pode acessar o relatório aqui. Você também pode acessar muitos outros documentos do Dr. Mason aqui.

 

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.