Enegrecer a Arquitetura

Por Thaise Machado.

O ensino como um todo no Brasil é falho. A graduação em Arquitetura e Urbanismo não fogem desta regra. Precisamos levar em consideração a história do período colonial para o ensino superior, para que se possa ter uma melhor compreensão sobre os alicerces deste país. O entendimento sobre a relação do período escravocrata e o desenvolvimento urbano andam juntos. O racismo foi e continua sendo o provedor do planejamento urbano, consequentemente, resultando em gentrificação e descaso com populações menos favorecidas.

Necessitamos levar para academia discussões das quais possam gerar mudanças para um futuro próximo, amenizando desigualdades e gerando qualidade de vida para os habitantes como um todo. O curso de arquitetura, por muitas vezes, foca em projetos voltados para uma minoria, ou seja, a classe rica e abastada. Obras em escalas absurdas que não conversam com o entorno e geram o distanciamento com população. A arquitetura se torna intocável pois desde o seu ensino até a formação dos profissionais, direciona o olhar para um único público.

Devemos usar a arquitetura como uma ferramenta de mudança, pautar o ensino sobre a realidade brasileira, do que vivenciamos dia a dia, das deficiências que estão expostas nas periferias, das pessoas que não possuem direito a moradia, do sistema falho dos projetos minha casa e minha vida, e deixar o glamour eurocêntrico para os países desenvolvidos. Basear o nosso ensino sobre os nossos intelectuais, vincular os conhecimentos de nossos estudiosos. Compreender que a arquitetura e urbanismo necessitam estar integrada com todas as áreas do conhecimento. Caso contrário, os futuros profissionais irão continuar aprendendo a projetar museus monstruosos e ou outras edificações que nunca irão construir quando formados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.