Em nova indicação, Snowden vai concorrer a Nobel da Paz em 2014

Publicado em: 30/01/2014 às 04:58
Em nova indicação, Snowden vai concorrer a Nobel da Paz em 2014

snowden(6)

Por contribuir para mundo mais “pacífico e estável”, ex-analista da NSA — também lembrado em 2013 — vai disputar novamente o prêmio

O ex-analista da NSA (Agência de Segurança dos EUA), Edward Snowden, foi indicado na quarta-feira (29/01) ao Prêmio Nobel da Paz de 2014 por dois deputados do Partido da Esquerda Socialista norueguês. Snowden, que atualmente reside na Rússia após receber asilo temporário do país, já havia sido indicado para concorrer à premiação, na edição de 2013.

Segundo os políticos Bård Vegar Solhjell e Snorre Valem, Snowden contribuiu para uma ordem mundial “mais pacífica e estável” ao revelar um esquema de espionagem em massa de comunicações telefônicas e de internet, realizado pelos Estados Unidos.

Snowden é perseguido pela justiça norte-americana e atualmente vive em Moscou

Para os deputados, isso gerou um debate crítico em escala mundial acerca da dimensão do nível de vigilância dos norte-americanos. “Seus atos reinstauraram a confiança e a abertura de princípios fundamentais na política de segurança”, escreveram no documento enviado ao Comitê Nobel norueguês, instituição que organiza o prêmio.

Recentemente, o presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou que as escandalosas revelações de Snowden sobre a espionagem da NSA trouxeram “mais prejuízo que transparência”. Por conta disso, o ex-agente atualmente vive em Moscou e é perseguido pela Justiça norte-americana.

O Comitê Nobel norueguês não confirma nomes dos candidatos ao prêmio, só o número total de aspirantes, que no ano passado alcançou o número recorde de 259. O prazo para apresentar candidaturas para o Nobel de 2014 termina no dia 1º de fevereiro.

No ano passado, o ganhador do Nobel da Paz foi a Opaq (Organização para a Proibição das Armas Químicas), distinta por seus esforços na eliminação desses arsenais, um trabalho que ganhou visibilidade com a guerra na Síria.

Foto: Agência Efe

Fonte: Opera Mundi

Deixe uma resposta