Em decisão unânime, Uruguai aprova Plano Nacional de Agroecologia

A lei é considerada vitoriosa pelas organizações que lutam pela soberania alimentar e pela agricultura familiar no país.

Foto: Juan Milan

Por Radio Mundo Real.

A Câmara de Deputados do Uruguai aprovou, na última terça-feira (11), o Plano Nacional de Agroecologia, que transforma em lei a iniciativa proposta pelos produtores e produtoras da agricultura familiar agroecológica e pelas organizações sociais que impulsionam o princípio político da Soberania Alimentar, entre elas, a Rede Nacional de Sementes Nativas e Crioulas do Uruguai, a Rede de Agroecologia do Uruguai e o secretariado uruguaio da Sociedade Científica Latino-americana de Agroecologia (Socla).

Durante a votação, os deputados e deputadas do Uruguai foram unânimes, como aconteceu no Senado, e foi celebrada como uma vitória pelas organizações proponentes, que apresentaram o projeto de lei em 2015 como forma de “promover a Soberania Alimentar através de uma alimentação adequada e saudável, fomentando a produção de alimentos de qualidade, livre de contaminantes prejudiciais à saúde” e “ampliar o número de produtores em sistemas de produção, distribuição e consumo de produtos agropecuários de base agroecológica” nas zonas rurais, urbanas e periurbanas”.

O projeto que agora se transformou em lei teve como ponto de partida um longo processo de discussão, iniciado em 2014 durante a Festa Nacional da Semente Crioula, realizada em abril daquele ano no município de Guichón, no departamento de Paysandú, localizado no Centro-Norte do país. Durante o evento, foram realizados seminários para conhecer outros planos da região, entre eles, o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo) brasileiro.

Durante os debates sobre a necessidade de fazer o país avançar na criação uma política nacional de fomento à agroecologia, ainda em 2015, as organizações proponentes insistiam que “no Uruguai, não se pode negar a crescente preocupação cidadã por uma alimentação saudável, livre de agrotóxicos e transgênicos. Por outro lado, existe uma crescente demanda social e ambiental relacionada à qualidade da água, à saúde e às condições de trabalho das pessoas que trabalham no sistema agroalimentar”.

No entanto, após três anos da criação do projeto e da demora em ser aprovado, em julho deste ano as organizações reforçaram seu posicionamento público, exigindo o avanço na legislação como “o direito a consolidar um projeto de agricultura que existe há mais de 30 anos no país” e esclareceram que longe de “proibir” [como diziam os críticos], a ação em defesa da Soberania Alimentar “promove estilos de agricultura saudáveis, resilientes, mais justas e ecológicas”.

Neste contexto, enviaram uma carta ao presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez, seguida de um abaixo-assinado com mais de 4 mil assinaturas, em nome das organizações que promovem o plano.

Uma lei com sujeito

No debate parlamentar, os defensores da lei ressaltaram que a nova medida tem um sujeito: os produtores e produtoras da agricultura familiar, que cumprem um papel fundamental na defesa da biodiversidade, dos territórios e das bacias hidrográficas. Eles também destacaram o acúmulo histórico de mais de três décadas desenvolvidos nos territórios, onde se formaram os coletivos de promoção da agroecologia. Assim, para os proponentes e apoiadores, a aprovação da norma trata-se de uma formalidade necessária para posicionar a crítica do sistema agroalimentar no Uruguai e na região, partindo de uma defesa do Direito à Alimentação e à Soberania Alimentar.

Após a decisão unânime desta semana, os próximos passos da regulamentação e integração ficarão a cargo de uma comissão especial que levará adiante as ações políticas e institucionais para fortalecer o Plano Nacional de Agroecologia.

Em uma entrevista à Radio Mundo Real, Silvana Machado, da Rede Nacional de Sementes Nativas e Crioulas e Inés Gazzano, da Socla, fizeram um balanço inicial do processo de aprovação da legislação: “Este trabalho de tantos anos em defesa da Agroecologia e da Soberania Alimentar conta agora com um marco legal no Uruguai que permitirá continuar avançando”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.