Em ao menos três regiões, pessoas vivem menos que a idade mínima da reforma de Bolsonaro

Foto: Reprodução da internet

A reforma da previdência articulada no governo anterior do presidente golpista Michel Temer (PMDB) da qual o presidente Jair messias Bolsonaro (PSL) junto com seu conselheiro ultra neoliberal o economista Paulo Guedes se comprometem a realizar , tem como característica principal descarregar a crise gerada pelos empresários capitalistas em cima da classe trabalhadora, do povo pobre, das mulheres e dos negros. O ponto mais brutal dessa reforma é o aumento exorbitante do tempo de contribuição para a aposentadoria para 30 anos de contribuição, sendo 65 anos a idade mínima de aposentadoria para homens e 60 para mulheres, assim por muitas vezes ultrapassando a expectativa de vida das pessoas em regiões do norte e nordeste do Brasil.

Bolsonaro, que foi eleito após um processo de eleições manipuladas pelo judiciário e tuteladas pelas forças armadas, representa-se como o principal inimigo da classe trabalhadora, do povo pobre, dos negros e LGBTS. Além dos discursos de ódio contra minorias, ele se compromete em ser responsável pelos ataques mais sanguinários em cima do povo trabalhador, tais esses como privatizações da educação e saúde, retirada dos direitos trabalhistas e a mãe de todas as reformas, como dizem os economistas burgueses, a reforma da previdência. Esta, que tem como objetivo prolongar a jornadas de trabalho aumentando para favorecer uma pequeno punhado de capitalistas e banqueiros e ao mesmo tempo fazendo a população trabalhadora ter que trabalhar até a morte em condições desumanas e sem direitos.

O ponto mais desumano desse ataque é que o tempo de contribuição de trabalho para que se atinja o direito a aposentadoria muitas vezes supera o tempo de vida das pessoas em diversas regiões do brasil, principalmente na regiões norte, nordeste e sudeste. Seguindo uma escala decrescente da expectativa de vida, é possível observar os seguintes números nos seguintes estados com expectativas mais baixas: Ceará: 70,6 anos. Roraima: 70,3 anos. Paraíba: 69,4 anos. Piauí: 69,3 anos. Pernambuco: 68,7 anos. Maranhão: 68 anos. Alagoas: 67,2 anos.

O secretario da previdência do ano de 2016 Marcelo Caetano, afirmou que o dado mais adequado é considerar o tempo de sobrevida do contribuinte quando próximo da idade de se aposentar, e não o tempo total de vida da pessoa. Mesmo seguindo essa logica, com a crises e as demissões que derivam dessas crises, o trabalho precarizado, o crescimento ao trabalho informal por causa da retirada de direitos e no caso das mulheres a dupla jornada de trabalho, mesmo que uma pessoa consiga se aposentar com 65 anos de idade, teria em media mais 2 anos de vida para usufruir desse direito se fosse uma moradora de alagoas. As crises de desemprego prolongam muito mais o tempo necessário de contribuição juntamente com a precarização e o trabalho terceirizado que atinge principalmente mulheres negras que recebem os menores salários e trabalham nos piores postos. Esta reforma é uma forma de fazer com que o povo pobre trabalhe incessantemente, para satisfazer a necessidade de grandes banqueiros com a divida publica e empresários capitalistas de se manterem em seus privilégios que custam aos trabalhadores a própria vida.

A única forma para derrotar essa escravização declarada dos trabalhadores e do povo negro é através da força das mulheres, trabalhadores e do povo pobre. Que as centrais sindicais constituam um grande plano de lutas contra a reforma da previdência e saiam da trégua com o governo Bolsonaro se apoiando na força desses setores para derrotar este e outros ataques que estão por vir.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.