Eleições no Congresso escancaram racha nas bancadas do PT

Sessão de abertura do ano legislativo no Congresso Nacional com a presença do ministro da Casa Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha, que levou a mensagem do Poder Executivo. A sessão foi presidida pelo senador Eunicio Oliveira e pelo deputado Rodrigo Maia, eleito hoje para presidir a Câmara por dois anos. Brasília, 02-02-2017. Foto: Sérgio Lima/Poder 360.
Sessão de abertura do ano legislativo no Congresso Nacional. Foto: Sérgio Lima/Poder 360.

Por Gabriel Hirabahasi e Paloma Rodrigues.

As eleições para os presidentes da Câmara e do Senado expuseram o racha entre congressistas do PT. Depois de a ex-presidente Dilma Rousseff sofrer o impeachment, o partido busca 1 caminho para retomar seu espaço no campo político.

A fissura ficou exposta em 2016, com a formação do grupo de oposição “Muda PT”. Essa ala do partido –mais à esquerda– acredita que a sigla deve assumir o papel e discurso de oposição.

Congressistas do “Muda PT” se recusaram a apoiar candidatos do governo Temer nas disputas no Congresso. A corrente majoritária da sigla, “Construindo um Novo Brasil”, é mais pragmática: defendeu a manutenção de cargos estratégicos em troca de apoio a Eunício Oliveira (PMDB-CE) e Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Conforme a regra da proporcionalidade dos partidos, baseada nos regimentos internos das Casas, o PT teria direito a espaços na Mesas Diretoras. Por outro lado, dizem os petistas mais à esquerda, legitimaria a eleição de Eunício e Maia, apoiadores do impeachment de Dilma Rousseff e aliados do presidente Michel Temer.

GRUPO MAJORITÁRIO SEGUROU ALIANÇA

No Senado, os petistas conseguiram costurar 1 acordo com o PMDB, partido com a maior bancada na Casa. O senador José Pimentel (PT-CE) foi escolhido como 1º secretário da Casa.

O cargo é dos mais importantes por cuidar de 1 orçamento grande. Os petistas ainda esperam conseguir a presidência da Comissão de Assuntos Sociais. Por lá, pautas prioritárias para o governo, como a reforma trabalhista e previdenciária, poderão ser discutidas.

Os senadores do PT decidiram não apoiar Eunício por 6 votos a 4, em reunião que antecedeu a eleição.  Na consulta seguinte, venceu a posição pragmática. Por 7 a 3, o partido decidiu compor a chapa com o peemedebista, mas liberar o voto da bancada.

O resultado revoltou Fátima Bezerra (RN), Gleisi Hoffmann (PR) e Lindbergh Farias (RJ), que divulgaram carta contra o que chamaram de “equívoco político que cobrará seu preço” (leia a íntegra).

“Do ponto de vista político, nossa visão é muito clara de que não era adequado apoiar uma chapa encabeçada por quem protagonizou essa violência contra a democracia”, disse Fátima Bezerra. “Agora, a presença do PT na 1ª Secretaria é um ato legítimo, até porque está no regimento”.

Humberto Costa (PE) deixará a liderança do Partido no Senado. A ala mais à esquerda defenderá o nome de Gleisi Hoffmann (PR) para o cargo. Entendem que é a melhor forma de estarem representados na bancada. Pois dificilmente emplacarão 1 nome para os cargos na comissão depois de terem se abstido da negociação.

Fátima Bezerra defende que os congressistas do PT devem abandonar o clima eleitoral para fortalecer a bancada . “Isso é página virada. Temos clareza e responsabilidade política, por isso vamos ter uma bancada forte nesse ano”, disse Fátima.

DEPUTADOS DESFIZERAM ACORDO COM MAIA

Na Câmara, não houve o mesmo entendimento. Havia 1 número grande de deputados contrários a apoiar 1 governista. Além disso, 1 ex-ministro de Dilma se colocou no pleito: André Figueiredo (PDT-CE). Oficialmente, a legenda declarou voto no pedetista depois de muita insistência do “Muda PT”. Na entrega dos votos, porém, não desembolsou o que prometera.

Figueiredo teve apenas 59 votos. Somadas, as 3 bancadas que declararam apoio oficial a sua candidatura (PT, PDT, Rede) têm 82 deputados. Petistas da corrente majoritária ignoraram a orientação da bancada e desovaram votos em Rodrigo Maia, que foi reeleito no 1º turno com 293 votos.

O resultado foi a ausência do PT nas cadeiras titulares da Mesa Diretora da Câmara. Na gestão do ex-presidente da Casa Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a legenda já havia ficado de fora do comando. Serão mais 2 anos distante das decisões.

Fonte: Poder 360.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.