Eleições 2018: TSE divulga vídeo para mostrar que são falsas imagens de ‘fraude’ em urnas

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABR.

Em meio à votação deste domingo, vídeos apontando suposta fraude nas urnas eleitorais passaram a circular nas redes sociais. No entanto, as imagens são falsas, informou o TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

“Vídeo e mensagens em redes sociais e app de bate-papo sobre processamento dos votos na urna antes da tecla ‘confirma’ SÃO FALSOS”, publicou o TSE no Twitter, compartilhando uma nota emitida pelo Tribunal Regional de Minas Gerais (TRE-MG).

O primeiro vídeo em questão foi divulgado nas redes sociais por, entre outras pessoas, Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), candidato ao Senado e filho do presidenciável Jair Bolsonaro. As imagens mostram uma pessoa digitando o número “1”. Em seguida, antes de digitar o “3”, surgiria a foto do candidato presidencial Fernando Haddad (PT). O vídeo não foi feito em plano aberto, e por isso não mostra toda a urna eletrônica.

“Está acontecendo diante de nossos olhos. Aperta a tecla “1” para presidente e aprece o indicado do presidiário! Quem souber onde aconteceu isso, favor me enviar zona e seção. @TSEjusbr”, escreveu Bolsonaro.

Foto: Divulgação.

Segundo o texto publicado pelo TRE de Minas, esse vídeo mencionado por Flavio Bolsonaro é falso. “Os vídeos não mostram o teclado da urna, onde uma pessoa digita o restante do voto. Não existe a possibilidade de a urna autocompletar o voto do eleitor, e isso pode ser comprovado pela auditoria de votação paralela, nos mesmos vídeos abaixo.”

O TRE também publicou no YouTube uma explicação dada por um técnico de edição de vídeos, afirmando que o vídeo compartilhado nas redes sociais é forjado – há dois cliques antes de aparecer a imagem do candidato petista. Segundo sua análise, há dois barulhos de clique no teclado – ou seja, não teria havido apenas clique no “1” – indicando que o segundo número foi digitado por outra pessoa.

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, determinou que o Ministério Público e a Polícia Federal apurassem o caso. “Ministério Público Federal e Policia Federal já estão acionados. Não sabemos sequer se essa urna existe, se a imagem corresponde à realidade”, disse Weber.

Outro filho de Bolsonaro, o candidato a deputado federal por São Paulo Eduardo Bolsonaro (PSL) pediu fotos e filmagens de urnas que estariam com problemas. “Prezados, em caso de problemas com as urnas, filmem, de preferência gravem lives e falem o Estado, zona e seção onde está ocorrendo o problema”.

No entanto, fotografar ou filmar a urna eletrônica é crime, por violar o sigilo do voto, segundo o Código Eleitoral. A lei estabelece que é proibido “portar aparelho de telefonia celular, máquinas fotográficas e filmadoras, dentro da cabina de votação”.

 A norma visa impedir a coação de eleitores – para que não sejam obrigados a fotografar seu voto e provar que votaram em determinado candidato.

Sobre a possibilidade de Flavio Bolsonaro ter divulgado notícia falsa, o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Medeiros, disse que isso poderá ser apurado após a eleição pelo Ministério Público.

Revólver na urna

Também circulam nas redes sociais fotos de revólveres em frente ao que seriam urnas eleitorais.

Um vídeo mostra um eleitor usando o cano do revólver para digitar o número 17, de Bolsonaro.

Consultado pela BBC News Brasil, o TSE disse que até 14h deste domingo não havia registro de caso do tipo.

Um usuário publicou no Twitter foto de um revólver em cima de uma urna, com a foto de Jair Bolsonaro e seu candidato a vice, general Hamilton Mourão, às 10h46 deste domingo, com a frase “Chupa PT, Aqui és RS”. O tuíte, publicado de Cachoeira do Sul, do Rio Grande do Sul, teve 1,510 curtidas e 638 retuítes.

A BBC News Brasil falou com o usuário, que também havia publicado a foto em seu perfil de Facebook.

“Eu recebi e achei interessante. A arma para nós, no Rio Grande do Sul, é algo tradicional. Assim como o churrasco, o chimarrão”, disse Manoel Delci, de 42 anos, proprietário de uma empresa de tele-entregas. Ele afirmou não ter sido o autor da foto. Disse ter recebido em um grupo de WhatsApp – “não sei te dizer qual, faço parte de diversos grupos” – e então ter publicado no Twitter.

“Eu achei interessante, por mais que seja crime, por mais que não concorde com quem tirou a foto. Não é ameaça, é uma maneira de se expressar, de dar um adeus, dar um basta a toda essa roubalheira absurda. De forma alguma é ameaça, não é minha índole.” Delci tem fotos em seu Facebook com um bastão escrito “direitos humanos”.

Logo depois de falar com a BBC News Brasil, por volta das 13h, ele deletou as fotos do Twitter e do Facebook.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.