Elas por elas – 20 músicas feministas feitas por mulheres

Publicado em: 24/08/2017 às 10:29

“Punk rock não é só pro seu namorado”, já dizia a banda Bulimina lá nos anos 90, em Brasília. Não é de hoje que o feminismo é tema de música feito por mulheres, para mulheres. Porém, com a pauta em evidência, não falta quem tente “surfar na onda”. A questão é que esta não é uma bandeira vazia. Não basta cantar porque é o tema da vez, é preciso comprometimento e há muita mulher com propriedade para fazer isso.

Recentemente a banda gaúcha Apanhador Só lançou seu último disco, “Meio que tudo é um”. Aclamado pela crítica e pelos fãs, o álbum se destacou não só pelo experimentalismo, diferente de tudo que o trio tinha feito até então, mas também por trazer uma música “feminista”, a 14ª faixa, “Linda, louca e livre”.

No entanto, “nem tudo que reluz é ouro”, denunciou a escritora Clara Corleone em sua conta oficinal no Facebook ao contar sobre relacionamento abusivo que viveu com o guitarrista da banda, Felipe Zacanaro, durante cinco anos.

Três anos se passaram desde o fim do casamento e só agora ela resolveu denunciar a violência física e psicológica. O motivo foi justamente a canção feminista. “Considero um tapa na minha cara que a banda do toque uma música chamada ‘Linda, louca e livre’ (…). Não há nada de feminista ou de desconstruído nesse músico (…). O Felipe teve um relacionamento aberto com uma mulher que acreditava estar vivendo um relacionamento fechado. Foi cruel, irresponsável com os meus sentimentos, desleal, covarde. Usou de todo tipo de artimanha psicológica, eu pensei que estava ficando louca e, de fato, quase enlouqueci. Não pode, agora, a banda tocar uma música que pague de bacana sobre como o homem deixa a mulher livre para ser o que ela quiser dentro duma relação”.

Neste desabafo corajoso Clara conta sobre como foi viver ao lado do músico e afirma, mais de uma vez, que o problema não foram as 40 traições, mas sim a falta de lealdade e agora a hipocrisia de cantar sobre o feminismo. No dia seguinte à publicação, a banda anunciou a “suspensão das atividades por tempo indeterminado”. A atitude não repercutiu bem entre os fãs que esperavam um posicionamento e não um afastamento frente à situação tão delicada.

A história nos levou a buscar canções feministas feitas por mulheres para mostrar que sim, há muita mulher engajada – de fato comprometida com a luta feminista – produzindo coisas incríveis. Não significa que homens não possam debater o feminismo, pelo contrário, devem. Mas vale sempre destacar que esta bandeira só existe porque a violência contra as mulheres é real.
O Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Destes crimes, mais de 30% são cometidos por companheiros ou ex-companheiros.

A cada 11 minutos uma mulher é estuprada, segundo dados da FBSP. Apenas 30% dos casos chegam à justiça. A OMS aponta também que em dez anos o número de assassinatos de mulheres negras cresceu 54%. Um estudo do Instituto Patrícia Galvão mostrou que 70% da população acredita que as mulheres estão mais inseguras e sofrem mais violência dentro de casa, e não em espaços públicos.

Por isso ao levantar a bandeira em defesa das mulheres, o mínimo que se espera é coerência. Combate à violência e defesa de direitos iguais não é moda e deve ser encarado com responsabilidade. Manifestações de apoio através de músicas, fotografias, filmes, poesias, grafitis, e muitas outras formas de expressão, sempre serão bem-vindas, desde que exista comprometimento.

Com a ajuda de dezenas de mulheres, selecionamentos 20 músicas que abordam o feminismo em diversos aspectos. Esta lista foi criada de forma coletiva a partir de uma publicação no Facebook. Está disponível também no Deezer.

Ouça a lista:

Fonte: Vermelho.

Deixe uma resposta