Editorial

Florianópolis, 8 de fevereiro de 2015.

Na quinta-feira, 5 de fevereiro, se lançou a campanha de assinaturas em apoio à Lei da Mídia Democrática. Depois da participação social na construção do Marco Civil para Internet, chega esta nova aposta para democratizar a comunicação brasileira. Dentre os dispositivos defendidos aparecem o veto à prioridade de emissoras de Rádio e TV por políticos e a criação de um Fundo Nacional de Comunicação Pública e do Conselho Nacional de Comunicação.

Abre-se um novo espaço de discussão e nessa esteira queremos voltar com as reflexões sobre Soberania Comunicacional. Sem a compreensão da importância estratégica, cultural, educacional, social e política, da obtenção da Soberania Comunicacional, qualquer avanço é uma aspirina para uma doença incurável.

Estamos controlados por interesses alheios à Classe Trabalhadora, à Paz, à Vida Gregária Saudável, à Justiça e ao Direito Humano à Comunicação da Verdade. A opressão exercida pelos interesses transnacionais, que substituíram os países nas últimas décadas, subverte os conceitos mínimos de Soberania. Não só criaram multinacionais de mercenários que assolam o Mundo, também criaram uma forma de invasão, tão violenta quanto essa, efetivada através das multinacionais da comunicação, concentradas num número cada vez menor de agências a serviço do status quo, e cada vez mais monopolizadoras redes de uniformização do pensamento e invasão cultural dos países, colonialmente chamados de periféricos.

Quaisquer governos e povos que não compreendam a importância determinante para sua independência, identidade e autonomia, em todos os âmbitos dessas construções civilizatórias, que tem a Soberania Comunicacional, e renunciem a ter mecanismos públicos próprios, identitários e democráticos de comunicação, estão fadados à dependência e à entrega dos seus direitos mais elementares, como o são, todas as outras soberanias a conquistar, consolidar e defender. Brasil tem que se libertar dessa opressão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.