Edgar Vasques: 50 anos de resistência gráfica

Foto: Alexandre Garcia

Edgar Vasques comemora 50 anos de atividade profissional com o lançamento de Crocodilagem – O Brasil Visto de Baixo (L&PM Editores).  A compilação reúne 144 tiras que foram publicadas mensalmente no jornal Extraclasse, do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do RS (Sinpro), entre 2007 e 2018 – também há quadrinhos inéditos.

Um dos mais célebres anti-heróis das tiras brasileiras, Rango nasceu em plena ditadura militar e é um dos mais longevos personagens do humor gráfico brasileiro. Seu primeiro livro, publicado em 1974, também marcou o início da L&PM Editores. Criado por Edgar Vasques, Rango surgiu com a cara do Brasil à época: miserável, esfomeado, marginalizado, pobre, desempregado e vivendo dentro de uma lata de lixo.

“Crocodilagem” também traz o prefácio escrito por Erico Verissimo para a edição de 1974. O título, segundo Edgar, significa “sacanagem, hipocrisia, cinismo e fingimento. Tudo o que temos sofrido nesses tempos de tremendo retrocesso”.

Chargista, cartunista e exímio aquarelista, Edgar Vasques nasceu em 5 de outubro de 1949 em Porto Alegre. No verão de 1968, com a herança recebida pelo avô materno –  Carlos Alfredo Simch – viajou para a Europa. “Meu avô achava que um artista deveria conhecer o velho mundo.” Visitou Lisboa, Madri e Roma, mas o que o impactou foi Paris às vésperas dos protestos de maio. “Foi emblemático. Tinha 18 anos e nunca tinha saído de Porto Alegre.”

Quando voltou a Porto Alegre, os desenhos que Edgar fez na Europa foram publicados no Correio do Povo. Um tempo depois, ele passou a ser colaborador da Folha da Manhã, tablóide matutino da Caldas Junior. Edgar recebeu a equipe do Brasil de Fato RS em seu estúdio.

Como surgiu o Rango?

No caminho para a Faculdade de Arquitetura da UFRGS eu via a miséria na rua, no começo dos anos 1970, mas ninguém falava nisso. Era o Brasil grande, corrente pra frente, a ditadura eufórica, Brasil tricampeão do mundo, e a miséria ali, crescendo. Eu achei um absurdo aquilo, porque não batia a realidade com a narrativa.

A Faculdade era um local de efervescência cultural e de agitação política, foi ali que nasceu Rango, o “faminto total”. Eu enveredei pelo humor gráfico, pois além de ser uma forma de inserção no mercado, mais popular, era uma forma de fazer as pessoas pensarem. A minha geração saiu pra rua (profissionalmente) debaixo de mau tempo (da ditadura militar). Era importante se posicionar. A linguagem do humor pode ser uma arma poderosa, pois promete o prazer e entrega a consciência, embora nem todo o humor seja crítico.

O teu trabalho chegou a ser censurado? 

Depois da Folha da Manhã, passei a atuar no Coojornal e também a publicar no Pasquim. Uma vez, por causa das tiras do Rango, o Pasquim foi apreendido em todo o país. Isso rendeu um processo contra mim e o jornal. Acabou não dando em nada, mas foram dois anos para se desvencilhar, mesmo que as alegações fossem idiotas. Durante o governo Geisel foi lançada uma campanha comemorativa à semana da pátria com três pombinhas: uma azul, uma amarela e uma verde. Daí eu desenhei o Rango churrasqueando as pombinhas, quando alguém pergunta: “E aí, Rango, como é que tu tá?”, e ele responde: “esverdeado de fome, amarelado da icterícia e azulado anemia”. Daí recebi uma intimação para ir na Polícia Federal. Veio até um delegado do Rio de Janeiro para me interrogar. Depois de dois anos encerraram o processo.

Qual é o papel da mídia no atual cenário político?

Houve um processo de monopolização nitidamente, a partir dos anos 1980, com a redução de jornais diários. Outro fenômeno foi o tsunami tecnológico. Ao longo da história nenhuma outra tecnologia cancela as que estavam antes, mas relativiza e a coloca num nicho especializado. A TV não acabou com o rádio, da mesma forma que a fotografia não acabou com a pintura. O que está acontecendo com o meio impresso é isso. Os meios eletrônicos entraram avassalando o meio impresso. O papel da mídia continua sendo fundamental. No Brasil o meio eletrônico não é formador de opinião. Eu acho que as redes sociais são alto-falantes, elas amplificam conceitos. E os conceitos ainda são gerados na experiência direta das pessoas e muito pelos meios tradicionais, como jornal e televisão. O que sai na rede social, em princípio, não tem credibilidade. E o problema é que, hoje, a mídia tradicional também não tem credibilidade. Ela não assume lado, posando de imparcial. A mídia corporativa quer ganhar por todos os lados. Eles querem comandar o país, dar o golpe e ainda bancarem os imparciais. Com isso, quebraram a coerência e racionalidade para poderem dar esse golpe retrógrado. A mídia que deveria ter um compromisso com o leitor e ser um fiscalizador do poder público. Porém, abdica disso para ter um pé no poder público. E fica claramente identificada com os interesses da elite. Nesse contexto, cobram uma autocrítica pública da esquerda, mas não do outro lado. Autocrítica se não for pra todos é sacanagem, é uma chantagem. Não sou sectário, mas não sou otário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.