Duas travestis negras iniciaram o movimento LGBT, mas ninguém fala sobre isso

Imagem: Reprodução
    Desde que o mundo é mundo, a maior parte dos acontecimentos são embranquecidos para que sejam mais aceitos. Não é preciso fazer muito esforço para comprovar essa afirmação: nem a identidade de Jesus foi respeitada.

Quem dirá a imagem de duas travestis negras iniciando um movimento que é tão marginalizado quanto suas próprias existências:

Marsha P. Johnson e Sylvia Rivera fundaram juntas a STAR, um refúgio para LGBTs de rua, mesmo que Marsha estivesse frequentemente nessa situação.

As revoltas de Stonewall

Marsha fez muito pela comunidade LGBT em sua época, mas o que mais marcou sua história foi seu envolvimento com as revoltas de Stonewall, manifestações que iniciaram o movimento LGBT (clique aqui para ler sobre).

Marsha é muito importante pois, entre outras coisas, foi a responsável pela primeira revolta. Ela foi a primeira pessoa a revidar contra a invasão atirando pedras (ou copos) contra os policiais.

O que aconteceu em seguida foi uma serie de manifestações contra o forte preconceito da década de 1960, e mesmo que Marsha tenha sido a pioneira, foi deixada de fora da parada LGBT de 1978 pois naquela época até mesmo os gays excluíam travestis, alegando que “os travecos” iriam sujar a imagem do movimento.

Sendo assim, as duas amigas fizeram seu próprio protesto na frente da parada daquele ano.

Em 2015, quando dirigiu o documentário “Stonewall“, Rolland Emmerich criou um personagem gay cisgênero branco e o mostrou arremessando o tijolo que teria iniciado a rebelião, deixando claro que os boicotes transfóbicos não ficaram no passado.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.