Dra. Adair, a grande dama de Canoinhas

Por Urda Klueger.

Muitas e muitas cidades não têm uma grande dama – há muitas que sequer sonham com o que pode ser isto, e eu acho que fica bastante difícil de explicar em palavras comuns o que é ser uma grande dama – grande dama é aquela pessoa que não precisa dizer nada nem fazer nada para sê-la – grande dama é alguém perceptível diretamente pelos olhos do coração, e as palavras são coisas bobas diante delas.

Então no ano que passou fui à cidade de Canoinhas/SC, lá no extremo norte do Estado, e lá estava aquela mulher inigualável a me atender. A princípio ela parecia normal, uma mulher da minha idade, médica, educada e delicada quanto tantas, cuidando para dirigir muito devagar para evitar que eu enjoasse no caminho do que queria me mostrar, conversando agradavelmente, inteligentemente, mas até aí tudo parecia normal.  Levou-me ao seu lugar, onde nascera e crescera, à localidade de Marcílio Dias, e lá mostrou-me muitas coisas: a casa onde se criara (há uma sobrinha dela ainda morando lá na casa vetusta, de madeira, onde juro que deve haver fantasmas escondidos sob as escadarias e entre as paredes duplas e, portanto, pudemos entrar e conhecer a casa); as diversas outras casas de formatos e construções únicas da região, o leito da antiga estrada de ferro, a velha estação, ao lado da casa de moradia e de comércio da sua nona[1], que tantas coisas na vida ensinara à menina Adair, enquanto atendia autoridades que o trem trazia até ali, sendo a mais ilustre o presidente Getúlio Vargas; contou-me muitas coisas da Guerra do Contestado e da Madeireira Lumber, uma desgraça que aconteceu ao Brasil lá no começo do século XX, com seu Ogro chamado Paschaol Farquhar.

Canoinhas ainda é uma cidade bastante pequena, mas Dra. Adair havia decidido me dar um city-tour, e em seguida lá fomos nós para a Cervejaria Canoinhense, onde o inigualável cervejeiro Rupprecht  Loeffler[2] produz cerveja e gasosa há mais de 80 anos, ele pessoalmente. Acabei ganhando uma coleção de cervejas e comprando uma coleção de gasosas, das vermelhas e das brancas, as inigualáveis gengibiras que degustaria depois, em casa. Doutora Adair contou prazerosamente como seus pais compravam, nas festas de final de ano, engradados inteiros daquelas gasosas, e como os irmão e primos dela (decerto ela também) aproveitavam para esconder muitas garrafas nos mais inacessíveis esconderijos da casa, para que sobrassem para depois – sobravam para o ano inteiro; era um nunca acabar de se achar gasosas por todo o ano dentro daquelas paredes duplas onde agora, com certeza, devem morar muitos fantasmas!

E nos dias em que fiquei lá (não só em Canoinhas, como também em Três Barras e Bela Vista do Toldo) fazendo palestras nas escolas cujos alunos haviam lido os meus livros e também participando de uma noite de autógrafos na Livraria Santa Cruz, Dra.  Adair esteve todo o tempo a me acompanhar, sem contar as duas vezes em que me convidou para almoçar na sua casa.  Então, aos poucos eu fui conhecendo, desvendando seus mistérios de grande dama e outros, e um pouquinho da sua biografia. Ela era médica desde os 25 anos, e já completou seus 50 anos de medicina há algum tempo atrás, o que significa que… céus, mas aquela mulher linda  que parece ter a minha idade não tem a minha idade? Não, acabei por saber – aquela mulher linda e tão jovem já passava dos 75 anos! Como fez ela para se manter assim cheia de vigor, de beleza e de juventude? Penso que por conta do muito trabalho da sua vida, e de ter escolhido fazer exatamente o que gostava de fazer – mas também por ter seguido seu coração e suas convicções sem se dar trégua, e ter vivido de acordo com eles sem esmorecer. Fiquei a admirá-la silenciosamente quando, numa reunião pública onde estávamos, ouvi sua indagação para a qual ainda não se tem resposta:

– Então que faço com os vinte anos que a ditadura me roubou? Faço de conta que eles não existiram, e digo que agora só tenho 50 e tantos anos?

Grande Dra. Adair, que não permitiu que se lhe arrancassem os sonhos e ideais da juventude! Continua convivendo com eles com a mesma intimidade com que sempre viveu – nunca deixou de acreditar nas suas crenças, nunca deixou de levar muito a sério o que acha que é justo! Seria este o segredo que a tornou uma grande dama?

É bem possível e provável que sim. É, pelo menos, um dos fatores. Dra. Adair nunca transigiu, nunca deixou de perseguir os seus ideais, fossem eles os de mitigar o sofrimento alheio ou de sonhar com um mundo melhor. Nunca prestou atenção, ela, aos arautos da Apocalipse que ficaram anunciando a chegada do desânimo, a ruína dos sonhos, o fim dos tempos da esperança – única e perfeita, ficou na sua pequena cidade defendendo que o tempo de sonhar nunca se acaba, e então se tornou grande, a grande dama de lá!

Querida Dra. Adair, a grande dama de Canoinhas, que bom que foi ter tido o privilégio de conhecê-la!

 

Imagem: santacatarina.radarsul.com.br

 

 


[1] Nona= avó

[2] Na data de publicação deste texto, soube que o Sr. Rupprecht Loeffler faleceu em 27.02.2011.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.