Documento final do G20 isola Estados Unidos ao dizer que Acordo de Paris é ‘irreversível’

Publicado em: 10/07/2017 às 12:54

"Nós tomamos nota da decisão dos Estados Unidos da América de deixar o Acordo de Paris", diz comunicado assinado pelos países-membros do grupo

 ONG fez protesto em Hamburgo dizendo que Trump está ‘totalmente isolado’

O documento final da reunião entre os 20 líderes das maiores economias do mundo (G20) confirmou neste sábado (08/07) o compromisso de 19 dos membros do encontro, com a exceção dos Estados Unidos, com o Acordo de Paris sobre o clima.

No texto, todos os líderes se comprometem em manter as metas do pacto e dizem que o documento é “irreversível”. “Nós tomamos nota da decisão dos Estados Unidos da América de deixar o Acordo de Paris”, diz o comunicado.
Assim como já era esperado, a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de retirar seu país do pacto mundial, acabou isolando Washington quando o assunto foram as mudanças climáticas. No entanto, pela primeira vez, houve a adição de um parágrafo de “dissidência” dos EUA – após muita pressão dos norte-americanos.
No trecho, afirma-se que os EUA irão “trabalhar próximo aos outros países para ajudá-los a acessar e a usar combustíveis fósseis de maneira mais limpa e eficiente”. Mais cedo, a chanceler alemã, Angela Merkel, lamentou a decisão de Trump e a premiê britânica, Theresa May, criticou a “intransigência” de Washington sobre a questão.
O texto segue ainda com o combate ao protecionismo na economia, onde os líderes – incluindo Trump – se comprometem a “combater o protecionismo incluindo todas as suas práticas desleais e reconhece o papel legítimo das regras de defesa comercial a esse respeito”.
Os líderes ainda afirmam que vão “apoiar o livre comércio e abrir os mercados”. Também por pressão de Washington, o documento pede que a China reduza a produção de aço e a pressão que faz em outros mercados nesse tema.
Outro ponto que teve unanimidade foi o compromisso com a luta contra o terrorismo internacional e intensificar, entre outras medidas, a punição para quem faz propaganda extremista na web.
Eles ainda se comprometeram a tomar medidas para excluir rapidamente esse tipo de material na internet.

 Fonte: Opera Mundi e Vermelho.

Deixe uma resposta