Do pato para o sapo, o novo mascote da Fiesp

O sapo dos juros chegou para ocupar o espaço do pato dos impostos. Foto: Dimalice Nunes

Por Dimalice Nunes.

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) tem um novo bichinho de estimação. Depois do pato amarelo, um dos ícones do impeachment contra a ex-presidente Dilma Rousseff, um inflado sapo verde amanheceu na terça-feira 13 no número 1313 da Avenida Paulista, sede do empresariado paulista na cidade de São Paulo. A briga agora é contra os juros: “#chegadeengolirsapo”, diz os panfletos distribuídos aos pedestres ao longo dos mais de dois quilômetros da avenida.

Já há alguns meses o corte no spread bancário e a consequente queda dos juros cobrados na ponta é o novo foco do empresariado, que argumenta que as taxas efetivamente cobradas não acompanharam os sucessivos cortes da taxa básica de juros.

E isso é verdade. Em dezembro a Selic chegou aos 7% ao ano, a menor desde 1986, ou uma queda de 7,25 pontos porcentuais desde outubro de 2016, quando o BC iniciou a trajetória de queda da taxa.

Em fevereiro, mais um corte, para 6,75%. O spread bancário – que é a diferença entre o preço que o banco paga pelo dinheiro e o que ele cobra dos seus clientes – seguiu elevado. Enquanto a Selic caiu para menos da metade, o spread alcançou apenas em dezembro os 32 pontos, mesmo patamar de dois anos antes, quando a Selic ainda estava em 14,25%.

Consequência direta desse descasamento entre o comportamento da taxa básica de juros e do spread é que os cortes da Selic não chegam ao bolso de quem toma dinheiro emprestado no sistema bancário ou faz compras a prazo.

A briga da Fiesp agora é exatamente essa: o spread bancário. “Agora é a hora de levantar a voz contra os juros injustificáveis praticados há décadas no Brasil”, afirma o panfleto distribuído pela entidade.

Os juros praticados pela economia caíram, mas de forma bem mais modesta do que a Selic. De acordo com os dados da Nota de Política Monetária à imprensa e Operações de Crédito, divulgada no último dia 29 pelo Banco Central, o juros cobrados no cheque especial, por exemplo, estavam em 323% ao ano em dezembro e sofreram uma queda praticamente irrisória em um ano: eram 328% ao ano em dezembro de 2016. No cartão de crédito era 334% ao ano em dezembro.

Após o último corte da Selic, o empresariado reforçou que o que importa agora é que a redução da taxa básica chegue no tomador de crédito. Segundo nota da Fiesp, as altas taxas para o tomador final retiram poder de compra das famílias, inibem o investimento e a geração de emprego por parte das empresas e dificultam a retomada do crescimento. “O Banco Central precisa deixar de só fazer ameaças ao sistema bancário. Tem que tomar ações incisivas para reduzir a taxa de juros ao tomador final.”

O pato

A campanha e o pato amarelo da Fiesp surgiram durante a crise política do governo Dilma Rousseff, uma reação do empresariado contra a possibilidade da volta da CPMF para contornar a crise econômica.

Em dezembro de 2015, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, liderou a entidade como uma das fiadoras do processo de impeachment da ex-presidenta, mas não demonstrou o mesmo entusiasmo após os escândalos de corrupção envolvendo Temer. “Não cabe à Fiesp falar de renúncia“, disse recentemente.

E a atual campanha segue o distanciamento, com a Fiesp, mesmo que nas entrelinhas, dizendo que o atual governo fez sua parte. O alvo, então, são os bancos.

panfleto.jpg
Campanha da Fiesp distribuiu panfleto aos pedestres que passavam pela Av. Paulista

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.