Djamila Ribeiro já entrou para a História literária

Por Juliana Borges, do Afropiniões

 

Por um breve tempo, refleti se escreveria este texto ou não. Se valeria a pena esta posição aqui ou não. E me lembrei do texto de Reni Eddo-Lodge – que eu traduzi aqui no blog – sobre não mais falar sobre raça com pessoas brancas. Em um determinado momento do texto, Eddo-Lodge explicita que, a depender do local, e das pessoas que podem ser alcançadas e do impacto de suas palavras nestas, vale a pena ainda falar. Por isso, eu explicito logo de cara: este não é um texto para brancos. E, pelo simples fato de que eu sei que eles não querem ouvir. Mais uma vez, emprestando o humor britânico da autora supracitada, uma grande parte dos brancos, não todos eles. Assim, já adianto que, caso algum branco leia este texto, já está garantida a sua negação e “excecibilidade”.

Foto: Gabo Morales/TRËMA

Pacto narcísico da branquitude. Para o seu doutoramento, Cida Bento definiu o que chamou de “pacto narcísico da branquitude”: um pacto realizado entre brancos para preservar privilégios. Neste pacto estão presentes alguns pontos contratuais: a negação e a recusa de que são racistas e de que há racismo – utilizando-me aqui dos conceitos trabalhados por Paul Gilroy e Grada Kilomba, sobre as palavras “negação” e “recusa” – e que, portanto constroi a imagem do negro pela negatividade, como um perigo iminente constante, de modo que isso corroboraria uma atitude de auto-preservação baseada no medo e, garantindo, assim a manutenção dos privilégios. Aqui, ressalto: manutenção das desigualdades, e por isso dos privilégios, baseados em hierarquias raciais.

E, ainda, gostaria de dizer que minhas palavras em nada desmerecem trabalhos que são e foram realizados tanto por autores quanto no trabalho editorial cotidiano e no impulsionamento pela leitura. O que estou dizendo, fundamentalmente, é em que ritmo e como queremos fazer. Se queremos continuar a passos de tartarugas, e o futuro que se avizinha parece até querer nos empurrar para trás, ou se queremos compreender e participar de processos que acontecem há algum tempo e que, dificilmente, serão barrados.

Dito isso, inicio o que gostaria de comentar aqui. Fiquei pensando se focaria no criticado ou na positiva. Sendo direta: se falaria mais de Gabeira ou se falaria mais de Djamila Ribeiro. Mas, tendo definido que meu público NÃO É a branquitude, foco em Djamila Ribeiro.

Djamila Ribeiro foi indicada para concorrer ao Prêmio Jabuti na categoria “Humanidades”, com o livro “O que é lugar de fala?” (Letramento). Com ela, alguns outros importantes e relevantes nomes na produção na área de humanidades disputavam, como Drauzio Varella, Christian Dunker, Nei Lopes e José Rivair Macedo, por exemplo.

“O que é lugar de fala?” (Divulgação)

“O que é lugar de fala?” é livro carro-chefe da Coleção Feminismos Plurais, que é coordenada e curada por Djamila Ribeiro. Estou entre uma das autoras. A coleção surgiu de uma ideia de Ribeiro sobre termos marcos teóricos brasileiros sobre premissas e conceitos caros ao Feminismo Negro e a produção intelectual de mulheres negras historicamente. E esse incômodo, que culminou em ideia-força, era muito legítimo, já que vimos a todo tempo as formulações de mulheres negras sendo desqualificadas e deslegitimadas, diminuídas, esvaziadas e aviltadas E isso se dá, fundamentalmente, porque há no racismo a estrutura de constituição e pedra fundamental da sociedade brasileira.

A coleção Feminismos Plurais é um marco editorial. E por uma questão muito perceptível: ao passo que grandes livrarias e diversas editoras choram por cortes de recursos e uma crise editorial, a coleção tem construído best-sellers nacionais. Os lançamentos fogem de uma maneira fechada – e digo diretamente: elitista – de enxergar o fazer da escrita e, portanto, o momento de apresentação de obra e autor ao público leitor que se intenta como se em um “petit“. As atividades, até agora, passaram pelo diálogo entre escrita, produção intelectual literária e musical, diálogos pautados na política que representa a disputa narrativa colocada por esta coleção. Com isso, a coleção tem mobilizado milhares pelo país que ansiavam por visibilidade de uma produção de conhecimento que já existia e que ascendia no percurso histórico. Isto não é pouca coisa.

Além disso, a obra tem qualidade inquestionável. A autora dialoga com o pensamento decolonial, tem fluidez na escrita, apresenta pontos complexos sem rebuscamento, um texto objetivo e sem rodeios – característica que vemos muito por aí, quando um autor quer “encher linguiça” numa equivocada relação entre quantidade e qualidade. Ou seja, a obra entrega o que se propõe e, mais, ainda instiga o leitor e leitora a aprofundar-se na temática, a buscar outros autores e outras autoras. O que quero dizer é que a obra faz algo central se formos pensar em um mercado editorial que fala em crise e em falta de público: a obra forma leitores. Se falamos tanto em um país que pouco lê, incentivos às práticas de leitura e produção literária são questões fundamentais. Ou seguiremos neste processo de demandas por recursos – que eu não nego que sejam importantes – para a produção de livros sem que tenhamos quem vá ler estes textos. E isso significa e retoma, simplesmente, meu segundo ponto deste texto: um pacto de preservação de privilégios, no qual uma pequena parcela auto-definida intelectual – e por critérios das relações burguesas e dos pequenos nichos – se retroalimenta em um convescote.

Por fim, mas não menos importante: os meus parabéns para Djamila Ribeiro. Já entrou para a História como a intelectual negra brasileira, na galeria de nosso fio ancestral de pensamento, que tem demonstrado que negros leem e produzem sobre si e sobre o mundo. E isso é inestimável e não há prêmio que dê conta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.