Dieese promove debate sobre fascismo no Brasil

Foto: Reprodução Internet.

O Dieese/SC (Departamento Intersindical da Estatística e Estudos Socioeconômicos) promove hoje, 6, na subsede do Sindicato dos Metalúrgicos em Guaramirim (rua 28 de Agosto, 247) Seminário “O Fascismo no Brasil e como enfrentá-lo”. O evento inicia às 9 horas e é aberto a entidades e lideranças filiadas ao Departamento, que pagam R$ 50,00, e não filiadas (R$ 100,00). Inscrições podem ser feitas pelos telefones 47-3273-1636 e 48-3228-1621. Trata-se da segunda etapa do Seminário “Planejamento de uma Campanha de Sindicalização”, que aconteceu nos dias 17 e 18 de maio, no mesmo local. A coordenação é do supervisor técnico do Dieese/SC, economista José Alvaro Cardoso.

O tema do Seminário decorre do momento político nacional peculiar vivido no país, onde as manifestações políticas são as mais inusitadas possíveis, sem que haja debate na sociedade e nem no movimento sindical. “Uma delas é o crescimento de um forte pensamento de extrema direita, fascistóide e protofascista”, explica José Álvaro, “e precisamos enfrentar isso no campo das ideias, conhecer o fenômeno, como foi na Itália, na Alemanha e no Brasil”. O economista lembra que o fascismo não é um fenômeno novo no País: “A própria ditadura militar, em 1964, teve características fascistas muito fortes”, resgata, citando ainda os Integralistas, colocados na ilegalidade em 1937, quando Getúlio Vargas deu o golpe do Estado Novo, e que era o maior partido da burguesia nacional.

Um dos grandes problemas dos brasileiros, que explica o momento que vivemos, é o desconhecimento de História, adverte o economista do Dieese, prevendo muitas dificuldades nos próximos anos: “O fenômeno Bolsonaro é filha dileta do golpe de 2016 que, por um lado, retira direitos dos trabalhadores e, por outro, mete a mão nas riquezas naturais, como o petróleo, e nas riquezas construídas, como as grandes estatais”. Não por acaso, prossegue José Álvaro, “o ministro do Bolsonaro (Paulo Guedes) diz que vai privatizar tudo, então, temos aí o aprofundamento do golpe, um novo ciclo, comandado pela principal força imperialista do mundo, os Estados Unidos”. E finaliza: “Se deixarmos, eles entregam o Aqüífero Guarani, parte da Amazônia, perderemos tudo, uma situação muito difícil”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.