Dia do Basta em Jaraguá do Sul

Dirigentes sindicais de Jaraguá do Sul e região estiveram na frente dos colégios, na manhã de hoje para distribuir informativo aos estudantes

Antes das 7 horas da manhã o pessoal que resiste e luta já estava nas ruas do centro de Jaraguá do Sul para entregar panfletos explicando a necessidade de reagir às maldades cometidas contra o povo brasileiro pelo governo de Michel Temer. Desde o golpe de 2016, esse governo ilegítimo tem cometido verdadeiros crimes contra a população. O pacote de maldades não tem fim, quer destruir o Brasil, acabar de vez com a democracia e entregar nossas riquezas ao capital estrangeiro. E só vai acabar com a reação enérgica da população.

O movimento sindical de Jaraguá do Sul e Região se uniu à mobilização nacional e também deu basta. O panfleto do Dia do Basta está sendo entregue desde o dia de ontem (9), nas portas de fábrica, e hoje prossegue em vários pontos estratégicos de Jaraguá do Sul, nas escolas da rede pública estadual de ensino, e também em Guaramirim, com intensa mobilização de dirigentes sindicais e outros trabalhadores.

+ Dirigentes sindicais antecipam Dia do Basta, em Jaraguá do Sul

Basta de Temer

O auxiliar operacional do Hospital Jaraguá, Salésio Hellmann, tem 60 anos e está há seis anos tentando se aposentar. Ele é apenas mais uma das vítimas das antirreformas do governo Temer, “o pior presidente que já se teve no Brasil”. Segundo Salésio, o povo precisa acordar para a realidade e perceber que “Lula está preso sem ter feito nada de errado. Uma injustiça. Não existe mais orgulho em ser brasileiro”, desabafou o trabalhador, que gostaria de dar um “Basta para o Temer”.

O dirigente licenciado do Sindicato dos Trabalhadores de Alimentação de Criciúma e Região, Célio Elias, avalia o 10 de agosto como “um dia histórico para a classe trabalhadora, ao dizer um basta a tudo o que foi construído desde o início do golpe iniciado nos primeiros dias de 2015 e o esquema armado por Aécio Neves e seus partidos aliados, o MDB, o PSDB, PSD, DEM”. Também é um dia “para relembrar o que estamos perdendo, em relação às privatizações, à reforma trabalhista, à Emenda Constitucional 95, que retira dinheiro da Saúde, Segurança e Educação públicas”.

Para Célio Elias, ninguém acreditava no revés social e econômico pelo qual passa o país: “Vínhamos numa crescente de aumentar direitos da sociedade como um todo, garantindo acesso à universidade para o filho do pobre, o negro, protegendo os LGBTI”. No entanto, “ao tirar a presidenta Dilma do poder, o sistema financeiro, a CNI (Confederação Nacional da Indústria), a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) se organizam para atacar os direitos da sociedade”, resgata o dirigente sindical, conclamando: “Temos que nos organizar para dar o troco e um basta a tudo o que acontece hoje no país”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.