Desmatamento na Mata Atlântica cresce 27% após dois períodos de queda

Bioma é o que mais perdeu floresta até hoje, diz fundação

Foto: Raphael Alves. AFP.

O desmatamento na Mata Atlântica cresceu 27,2% entre 2018 e 2019, se comparado ao período de 2017 e 2018. O percentual foi divulgado pela Fundação SOS Mata Atlântica, nesta quarta-feira 27, Dia Nacional da Mata Atlântica.

As informações fazem parte do Atlas Mata Atlântica, iniciativa da fundação em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O levantamento é realizado desde 1989.

Entre 2015 e 2016, foram desmatados 29.075 hectares. O número caiu entre 2016 e 2017, para 12.562 hectares. O período entre 2017 e 2018 apresentou nova queda, para 11.399 hectares. Agora, o índice volta a subir entre 2018 e 2019, para 14.502 hectares.

Minas Gerais é o estado campeão de desmatamento, com quase 5 mil hectares perdidos (47% de aumento). Em seguida, vem a Bahia, com 3.532 hectares devastados (78% de aumento). Na sequência, o Paraná perdeu 2.767 hectares de floresta nativa (35% de aumento).

Em 4º lugar, Piauí teve 26% de redução no desmatamento, com 1.558 hectares perdidos. Santa Catarina aparece depois, com 22% de redução, somando 710 hectares desmatados.

Alagoas e Rio Grande do Norte foram os únicos estados que zeraram o desflorestamento entre 2018 e 2019. Outros sete estados estão próximos de zero: Goiás, Espírito Santo, Ceará, São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Paraíba.

Segundo o SOS Mata Atlântica, a ampliação do desmatamento nesta área mostra que a destruição do meio ambiente não ocorre apenas na Amazônia. A organização ressalta que restam apenas 12,4% da Mata Atlântica e já é o bioma que mais perdeu floresta até hoje.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.