Deputado quer parcelar 13º em 12 vezes: “onera em demasia o empregador”

Para entidades sindicais, o projeto decreta o fim do benefício

Foto: Reprodção do FB

Se você é trabalhador assalariado guarde bem este nome: deputado federal Lucas Gonzalez (Novo-MG). Ele é autor do Projeto de Lei (PL) 5.337/19 que permite que o empregador, mediante acordo formal com o empregado, parcele o 13° salário em até 12 prestações.

E Gonzalez não esconde seu objetivo. Para ele, o pagamento do 13º em 2 prestações, como previsto na legislação atual, “onera em demasia o empregador”.

Pelo texto, nos casos em que o empregado não houver completado 1 ano de trabalho, o 13° poderá ser dividido pelo número proporcional de meses trabalhados. Os descontos previdenciários e de impostos de renda deverão ser recolhidos mensalmente, quando o trabalhador optar pelo adiantamento.

Na prática, de acordo com inúmeras entidades sindicais, entre elas o Diap, se o projeto for aprovado e transformado em lei, vai acabar com o 13º salário, pois diluído em até 12 parcelas perde o objeto para o qual foi instituído há 57 anos, que é aquecer a economia em 2 períodos específicos do ano. No meio do ano, em junho, período de férias escolares, e em dezembro, também período de férias escolares e mês de festas.

Além disto, o projeto não prejudicará apenas os trabalhadores, mas, sobretudo o comércio, que é bastante beneficiado por essa renda extra que aquece esse relevante setor da economia. Não há nenhum mérito nessa proposição.

O salário extra é cláusula pétrea da Constituição. Ou seja, não pode ser extinto. Por isso, o deputado sugere o parcelamento. Importante destacar que o 13º não caiu do céu. Embora o benefício estivesse previsto na CLT desde 1943, poucas categorias recebiam até o início da década de 60. Somente em 1962, foi reconhecido em lei.

A previsão é de que o 13º injete R$ 214 bilhões na economia neste ano. O valor representa 3% do PIB (Produto Interno Bruto). Mas, segundo o Dieese, a injeção no mercado interno poderia ser bem maior se o Brasil não tivesse batido recorde de informalidade – 38 milhões.

Tramitação
O projeto foi distribuído às comissões de Trabalho e de Constituição e Justiça. Aguarda designação de relator na 1ª comissão.

Perfil
O deputado Lucas Gonzalez está no exercício do 1º mandato, para o qual foi eleito com 64.022 votos. É empresário e bacharel em direito. Compõe a bancada evangélica.

1 COMENTÁRIO

  1. Mais um Picareta no Congresso, querendo ferrar mais o trabalhador de baixa renda,,,pessoal lembra desse canalha..ordinário..não podemos ficar colocando esses tipos de vagabundos, que só pensa no próprio umbigo e não na coletividade e dos menos favorecido..temos nossas armas..é nosso voto..e para de vender ele por uma cesta básica, um favorzinho da li e daqui…pq depois eles arrancam tudo e com correção,desviando dinheiro, favorecendo os empresários..etc…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.