Deputado entra com pedido de realização de plebiscito sobre reestatização da Vale

Rogério Correia (PT-MG) aponta a privatização da companhia como uma das causas dos crimes de Mariana e Brumadinho.

Foto: Antônio Scorza

Por Marcos Hermanson.

O deputado federal Rogério Correia (PT-MG) protocolou nesta quarta-feira (13), na Câmara dos Deputados, um projeto legislativo que pede a realização de um plebiscito de reestatização da mineradora Vale, privatizada em 1997.

“Depois de dois crimes ambientais em menos de três anos e meio, é preciso perguntar ao povo brasileiro se ele quer de volta a Vale como empresa pública”, disse o deputado em sua conta no Facebook. Em entrevista à Rádio Brasil Atual ontem (13), Correia discorreu sobre os motivos da proposta: “Nós precisamos de uma empresa que pense estrategicamente o Brasil, pense a integração nacional, novas formas sustentáveis de minerar. Por isso reestatizar a Vale é uma questão fundamental para pensar o desenvolvimento do país. E isso só pode ser feito através de um plebiscito, porque é o [instrumento] que tem a força política para fazê-lo”.

O objetivo do petista é fazer com que a votação tramite em regime de urgência, para isso ele precisa das assinaturas de um terço da Casa, ou 171 parlamentares.

No dia de ontem, deputados e senadores protocolaram também um pedido de abertura de Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) para investigar as causas do crime de Brumadinho. A articulação do pedido envolveu 240 parlamentares de mais de 11 partidos. Eles consideram que a instauração de uma investigação que envolva ao mesmo tempo ambas as casas seja mais eficaz do que a criação de comissões paralelas.

Tanto o pedido de CPMI quanto o projeto do plebiscito de reestatização devem enfrentar resistência na Câmara e no Senado. Correia também abordou o tema na entrevista à Rede Brasil Atual: “Vamos ter muita resistência de quem faz o lobby da mineradora, mas tem também do Brasil atual do Bolsonaro, que é o do neoliberalismo, do lucro. São os mesmos que querem entregar de graça para o capital financeiro e para os Estados Unidos a Petrobras e o Banco do Brasil”, afirmou o deputado.

Há 21 anos, a então Companhia Vale do Rio Doce foi adquirida por um consórcio liderado pela Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) que arcou com o montante de R$ 3,3 bilhões. O valor do leilão levou em consideração apenas a infraestrutura da empresa, enquanto ignorava o potencial das reservas naturais sobre as quais a mineradora detinha controle, algo que aumentaria consideravelmente o valor da venda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.