Defesa quer que tribunais superiores julguem liberdade de Lula ainda em agosto

Integrante da equipe que defende Lula judicialmente, Zanin visitou o ex-presidente ontem, segunda (9). Foto: Filipe Araújo.

Por Frédi Vasconcelos.

Após visita que fez ontem, segunda-feira (9) ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin, coordenador de sua defesa, afirmou que os recursos que estão sendo feitos aos tribunais superiores demandam sua liberdade plena. 

“O fato concreto é que o ex-presidente Lula não praticou nenhum crime e não pode ser condenado e privado de sua liberdade”, disse.

Zanin explicou que a defesa já entrou com recursos nos tribunais superiores – Superior Tribunal de Justiça e Supremo Tribunal Federal -, em que pedem a liberdade de Lula, mas que as medidas só serão analisadas após o recesso do Judiciário.

“A expectativa é que, em primeiro lugar, o pedido cautelar possa ser analisado no começo de agosto. É importante destacar que nos pedidos estamos discutindo a questão do direito à liberdade, não estamos discutindo nenhuma questão ligada à elegibilidade. Isso é estranho aos pedidos que foram apresentados.”

Sobre os fatos ocorridos no domingo (8), em que a ordem de soltura de Lula não foi cumprida, Zanin afirmou que a decisão favorável ao ex-presidente poderia ser impugnada pelos meios recursais disponíveis, o que não foi feito, e que a recusa em cumprir o alvará de soltura não atendeu aos ritos legais.

“Não me parece que se possa recusar o cumprimento de uma decisão judicial de um desembargador federal investido de jurisdição sob o argumento de que a decisão teria algum equívoco”, aponta.

Questionado sobre a suspeição do juiz Sergio Moro para atuar os processos contra Lula, Zanin diz que será feita uma avaliação em relação a tudo que aconteceu no domingo.

“Evidentemente que a defesa sempre arguiu sua falta de imparcialidade. Nós mostramos ao longo do processo a existência de diversas nulidades, a ocorrência de cerceamento de defesa, o fato de os advogados terem sido monitorados para que a estratégia de defesa fosse conhecida pelos agentes do Estado e a sentença ilegal que foi proferida para condenar o ex-presidente Lula”, concluiu.

Até dias antes do início do recesso judiciário, a presidenta do STF, Cármen Lúcia, não havia incluído o pedido da defesa de Lula na pauta de julgamento de agosto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.