Decreto de Bolsonaro é burocracia, não conspiração para um golpe militar

Foto: Reprodução/Youtube

Caiu nas redes sociais, na manhã desta quinta (26), um decreto assinado por Jair Bolsonaro que faz inúmeras mudanças no Estado-Maior do Exército. Internautas começaram a questionar se alterações era protocolo ou tentativa de golpe militar.

Uma fonte entendida do assunto explicou ao GGN que o decreto é burocracia e não tem ligações com a crise política atual.

Ao contrário disso, o que chama atenção é o que alto comando verde-oliva foi reforçado com nomes de confiança do Comandante do Exército, general Edson Leal Pujol.

São nomes comprometidos com a instituição, não com o bolsonarismo, como o general Valério Stumpf Trindade, que assume o Comando Militar do Sul, e Marcos Antonio Amaro dos Santos, que será o chefe do Estado-Maior do Exército. Ele fez a segurança de Dilma Rousseff por 5 anos e atuou no Comando do Sudeste.

Nesta semana, Pujol divulgou nas redes sociais um vídeo institucional afirmando que o Exército está preocupado com a epidemia de coronavírus, sugerindo o “aquartelamento” dos militares. A mensagem contrasta com a posição adotada pelo presidente Jair Bolsonaro, que é a favor de que a maioria dos brasileiros continue nas ruas.

GGN apurou que o dia 31 de março é o prazo limite que o governo tem para definir as promoções, aposentadorias compulsórias e fazer as substituições necessárias. O decreto de Bolsonaro traz uma série de militares que a partir desse mês ascendem de cargo e outros que são colocados na reserva.

É a situação do então Comandante Militar do Sul, Geraldo Antonio Miotto, que foi exonerado do Comando do Exército e transferido para a reserva remunerada. Ele vem ajudando o Rio Grande do Sul a combater o coronavírus.

Militares da reserva podem trabalhar se solicitados pelo governo.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.