De noite, no Lava Pies

Publicado em: 15/11/2011 às 15:09
De noite, no Lava Pies

Com Elaine Tavares na Espanha (2).

Madri, quatro milhões de habitantes, duas horas da manhã. A vida ainda está pulsando, as pessoas saem dos bares, andam pelas ruas, tranqüilas. Também eu sigo em direção a casa, em uma boa conversa com as companheiras espanholas. Estamos no Bairro Lava Piés, um dos espaços onde se concentram os latinos, africanos e migrantes de outras terras. No dizer de alguns locais “um lugar perigoso”. Mas, para quem conhece bem as coisas e sabe que a pobreza não é sinônimo de crime, não passa de ideologia. Por isso também se vê muitos espanhóis andando por ali e há bastante fraternidade.

É fácil perceber como o sistema concebe a presença dos imigrantes. Por toda a parte estão as viaturas policiais e, a cada tanto, seus ocupantes fazem a “redada” que é a vistoria por papéis. Como durante a noite os jovens saem a passear e a tomar uma bebida, os grupos de negros, latinos e marroquinos se convertem em boas presas.

Desgraçadamente topamos com uma dessas. Um grupo de negros conversava em uma praça quando chegaram os policiais. São bastante intimidantes, pois chegam em bando. Vai daí que começou uma certa confusão pois um dos jovens ou não tinha os papéis ou não aceitou aquele tipo de intervenção. De longe, ouvíamos a voz que gritava, indignada. Era um negro grande, encorpado, e falava um português de Portugal, o que me levou a crer que vinha de algum país da África. A coisa se arrastou e depois de alguns minutos lá vieram os policiais na direção das viaturas, já com o homem algemado. Ele seguia argumentando, rebelde, questionando a ação policial. Os demais acompanhavam, também argumentando.

Ali ficamos as três, impotentes. “Isso acontece a toda hora. Quando tem mais gente, as pessoas se juntam e impedem as prisões. Mas tem momentos assim, que ficamos sem forças”. O grande número de migrantes tem se convertido em um “problema” para o governo e para alguns que argumentam que essa gente que vem de fora lhes rouba o pouco de trabalho que ainda tem. Mas, no geral, o que se vê é um sentimento de solidariedade. De qualquer forma, os bairros onde se concentram os migrantes são sempre os mais visados pela polícia e a qualquer momento as pessoas podem ser revistadas com a exigência de papéis. Caso não os tenha são presas e deportadas.

Entre os espanhóis que lutam pelo direito dos migrantes de permanecer no país há os que o fazem por sentimento de humanidade, por solidariedade concreta. Mas também há os que têm muita clareza sobre o papel que Espanha teve na desgraça dos países de origem de toda essa gente. Um exemplo mais contemporâneo é o da gente do Marrocos e da região do Saharauí  que esteve nas mãos dos governos espanhóis até bem pouco tempo.

De fato, ali, na madrugada fria de Madri, o que parece ficar claro a quem circula pelas ruas do bairro Lava Pies é que ali não existem “migrantes”. As conhecidas caras latinas, negras e árabes que tornam tudo tão familiar estão, de certa forma, em casa. Pois, afinal, esses povos estavam cuidando de suas vidas quando foram invadidos e dominados. Agora, querem direito de poder transitar pelos caminhos do vencedor que, à força, os fez partilhar de sua cultura e modo de vida.

Talvez a Europa devesse estudar mais a sua própria história para saber que toda essa gente que hoje alguns chamam de “ilegais” nada mais são do que irmãos, filhos da mesma pátria e da mesma violência. Quando se acabou o tempo colonial pela força da luta das gentes, os países se independizaram, mas o estrago causado pelos países colonizadores foi grande demais. Agora, haveria de agüentar as consequências. O sistema capitalista inventado desde a Europa criou seus centros e periferias e hoje se autodenomina como um sistema-mundo. Pois bem, se é assim, se o sistema pode ser mundial e as mercadorias podem andar livremente entre as fronteiras nacionais, assim também as gentes. Dessa forma, não existem ilegais.

Mas, claro, isso é sonho e a realidade concreta é que nas ruas de Espanha os imigrantes pobres seguem sendo acossados. Já os que chegam para jogar no Barcelona ou no Real Madri, ou ainda os que aportam em jatos ou navios de luxos, esses são bem vindos e nunca importunados. Afinal, o dinheiro sempre pode ser um bom documento em qualquer lugar.

Deixe uma resposta