De molho

Segunda, quarta e sexta nos encontramos.
Imersos na água morna, cabeças com toca de fora.

Quase fixos, nos movendo sempre.

Acessórios flutuantes e coloridos para que funcione.

“o que arde cura”, dizem.

Esporadicamente um pingo frio cai, quando o vapor esbarra no teto.

Sequência decorada, repetições de 15 e 20.

Tudo pra recuperar um mal funcionamento localizado.

Nos olhamos.

– É para o ombro?

– Para os dois.

Prossigo nos movimentos pensativa.

Só me incomoda o esquerdo.

Rosangela Bion de Assis é jornalista, poetisa e presidenta da Cooperativa Comunicacional Sul.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.