De clássicos a novidades, dez obras para visibilizar a homossexualidade na literatura

Uma lista com livros sobre a experiência LGBT publicados no Brasil, metade deles nos últimos cinco anos

Natalia Borges Polesso, Caio Fernando Abreu, Bárbara Esmênia e Abdellah Taia / Arte: José Bruno Lima

Por Luiza Mançano

Há 50 anos, tinha início a rebelião de Stonewall nos Estados Unidos (EUA). O protesto de 1969 é considerado o estopim das lutas LGBT, acendendo o pavio para a organização do movimento em todo o mundo.

Mais do que um movimento por reconhecimento institucional, a efervescência da mobilização ao final dos anos 1960, junto com outros movimentos, como o de direitos civis da população negra e o movimento feminista, se deu também no campo cultural.

Na literatura, autores e autoras começaram a escrever mais abertamente e visibilizar experiências homossexuais em suas obras. Além disso, uma série de livros proibidos, esquecidos ou que abordavam de forma indireta o tema passaram a ser recuperados.

Para visibilizar esta produção, o Brasil de Fato organizou uma lista de dez livros de literatura contemporânea publicados no país, entre clássicos e lançamentos, que abordam o tema da homossexualidade e da bissexualidade.

  1. Terra estranha, de James Baldwin (1962)

Publicado alguns anos antes da rebelião de Stonewall, o romance do escritor afro-americano James Baldwin, protagonizado pelo personagem Rufus, aborda temas como a bissexualidade e relacionamentos entre pessoas negras e brancas nos EUA. O país, marcado pela segregação racial, vivia um crescente movimento pelos direitos civis da população negra. Foi publicado no Brasil pela Companhia das Letras no ano passado.

  1. O beijo da mulher aranha, de Manuel Puig (1976)

A obra de Manuel Puig é considerado um dos primeiros a assumir o tema da homossexualidade na literatura argentina. O escritor argentino é um dos fundadores da Frente de Libertação Homossexual no país e exilou-se antes do início da ditadura por receber ameaças de morte na ocasião do lançamento de seu livro The Buenos Aires affair. Escrito no exílio, no México, O beijo da mulher aranha tem como personagens um preso político, Valentin Arregui, e Luis Molina, um homem gay amante de cinema e acusado de seduzir um menor de idade. Eles dividem uma cela na prisão durante a ditadura. O romance ganhou adaptação cinematográfica dirigida pelo cineasta Hector Babenco, em 1985, quando Puig vivia no Brasil.

  1. Marcellina, de Cassandra Rios (1977)

A escritora brasileira Cassandra Rios (pseudônimo de Odete Rios) é uma figura ímpar na literatura do país, a primeira a escrever sobre homossexualidade feminina, com muitas obras eróticas publicadas em alta tiragem. Cassandra Rios teve seus livros censurados pela ditadura militar, foi perseguida e ficou conhecida como “a escritora maldita”. Neste seu romance, também censurado e republicado em 1980, a personagem Marcellina é uma prostituta que vive uma relação homoafetiva, mas que possui um discurso conservador, explorando as contradições das normas sociais da sociedade patriarcal.

  1. Em breve cárcere, de Sylvia Molloy (1981)

O romance da escritora argentina também é reconhecido como um dos primeiros a tratar a obra da homossexualidade na literatura argentina, desta vez, com a perspectiva de uma mulher. No romance, a personagem – apresentada sem um nome – é escritora e tradutora e vive em um quarto onde anteriormente viveu um triângulo amoroso conflituoso com outras mulheres, Vera e Renata. A obra explora temas como a busca de uma identidade, o descobrimento do próprio corpo e a homossexualidade feminina.

  1. Morangos mofados, Caio Fernando Abreu (1982)

O livro de contos é a quarta obra do escritor Caio Fernando Abreu e foi publicado nos últimos anos da ditadura brasileira. Dividido em três partes, os contos exploram o tema da homoafetividade em um contexto de repressão e silenciamento, mas também de intensificação da contracultura e surgimento dos primeiros grupos de libertação homossexual no país. Em um dos contos, Os sobreviventes, um casal se frustra em sua tentativa de ser heterossexual, e há muitas referências a elementos da cultura homossexual do período, como o Ferro’s bar, conhecido como “Stonewall brasileiro”.

  1. Argonautas, Maggie Nelson (2015)

A obra autobiográfica da escritora estadunidense Maggie Nelson foi publicada no Brasil em 2017 e tem como centro do relato o relacionamento entre a autora e o artista Harry Dodge. Uma família nada tradicional, composta por duas pessoas nascidas do sexo feminino, uma delas vivenciando um processo de transição de gênero (Harry) e a outra uma gestação. Uma obra sensível e íntima que explora temas como a transformação do corpo, a política conservadora dos EUA, com perseguição a grupos LGBT e as ameaças a direitos e conflitos internos relacionados à experiência queer e à maternidade.

  1. Amora, de Natalia Borges Polesso (2015)

O livro da escritora brasileira Natalia Borges Polesso, vencedor do Prêmio Jabuti (2016), é composto  por 33 contos que exploram o tema da homossexualidade feminina, com enredos que exploram o descobrimento da sexualidade, rompimentos afetivos, preconceitos e histórias de amor atravessadas por ele, da juventude à velhice. Um dos contos, intitulado Vó, a senhora é lésbica?, foi tema de questões do Enem do ano passado, e a autora foi atacada por setores conservadores. Na contramão do ódio pregado, ganhou uma versão em curta-metragem em 2018.

  1. Aquele que é digno de ser amado (2017)

Abdellah Taïa, cineasta marroquino, foi o primeiro escritor árabe a assumir sua homossexualidade publicamente. Seu livro Aquele que é digno de ser amado ganhou uma edição brasileira em 2017 pela editora independente Nós. Composto por quatro cartas ficcionais, todas atravessadas pela questão da homossexualidade, o livro aborda também questões como exílio e estrangeiridade, além de tensões entre a mitificada liberdade francesa e a exploração e subjugação dos povos africanos no colonialismo, cujas fraturas aparecem nos relacionamentos do personagem Ahmed.

  1. Tribadismo: mas não só, Bárbara Esmenia (2018)

O livro de poemas de Bárbara Esmenia foi publicado pela padê editorial, fundada em 2015 pela autora do livro junto a também poeta Tatiana Nascimento e voltada para a publicação artesanal de autoras negras, lésbicas, bissexuais e transsexuais. Os poemas de Tribadismo: mas não só, segundo poemário da autora, versam sobre a lesbianidade pensada para além da ideia de experiência moderna e ocidental, em uma escrita que evoca conceitos e imagens ancestrais para escrever a subversão das mulheres a partir da própria sexualidade como uma proposta política.

  1. 3.255 km, de Helena Zelic e Mariana Lazzari

Publicado ao final de maio pela nosotros, editorial, o livro-caderno 3.255 km é uma troca de cartas entre as autoras durante o período em que viveram em países diferentes, Helena no Chile e Mariana no Brasil. Os poemas e fragmentos formam um mapa íntimo de um relacionamento entre mulheres tecido (e escrito) à distância, entre a espera e o encontro, uma celebração do amor lésbico para nossos dias de resistência pessoal e coletiva.

Fragmento do poema aula de poesia

    – a saudade é um imprevisto

que se alarga pelo continente,

poderia dizer

e mostrar tuas fotografias.

sinto falta do calor

mas vejo nas miragens.

o que meio primeiro, a palavra

ou o mundo?

questionaria ao país sem nome

já sabendo sua resposta –. 

LIVRO 1.jpg

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.