Crivella quer saber religião professada por guardas municipais

Publicado em: 10/08/2017 às 09:40
O censo religioso da Prefeitura do Rio é só o confeito do bolo. Crivella é caso raro em que o sujeito fica pior do que a expectativa gerada. E olha que o que não faltava era má vontade (Foto: Reprodução)

Por Márcio Luiz Rosa.

O prefeito do Rio, um homem criado nas hostes religiosas, emergiu como prefeito da cidade suscitando muitas dúvidas: o que faria um pastor da Igreja Universal e uma cidade de espírito livre e democrático como o Rio de Janeiro? Com todo o direito reservado aos homens que pensam, os homens que pensam pensaram no pior: este cara vai querer transformar isso aqui em um ambiente careta tal e qual o mundo evangélico!

Parecia exagero? Parecia. Eu mesmo, cá desta barricada, dei um tanto assim de crédito ao sujeito: “vamos esperar. Vamos esperar!”

Mas tá difícil. Quando, em uma gestão contaminada pelo campo religioso, este tipo de questão é colocada…. há pouco, muito pouco a se salvar.

Qual a razão de submeterem guardas municipais a um censo onde se questiona sua religião? Que importância isso tem?

É dito que os guardas municipais ocupam uma área de lazer que era destinadas a todos os servidores, em especial professores, hoje proibidos de acessar. Se verdade ou não, esperamos a resposta. Mas que há coisas estranhas, há.

Em sua defesa Crivella diz que o censo foi feito pela Guarda e que nada teve a ver com esta história. Então o prefeito está obrigado a afastar o atual comandante da Guarda, coronel Paulo César Amêndola, por conta da má condução da sua gestão – que, neste caso, comprometeria a imagem do prefeito. E aí, Crivella?

Houve guarda municipal que, na dúvida, disse ser evangélico embora professasse a fé espírita. Tudo por medo de represália.

Área de lazer que era para todos agora é restrita a GM (Foto: Reprodução)

Fonte: Conexão Jornalismo.

Deixe uma resposta