Corte de recursos da Udesc é rejeitado por deputados na Assembleia Legislativa

O projeto de lei do Governo do Estado que corta em 10% os recursos da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) e de poderes e órgãos autônomos (Assembleia Legislativa, Tribunal de Justiça, Ministério Público e Tribunal de Contas) foi rejeitado na tarde na terça-feira, 11, no plenário da Alesc, pela maioria dos deputados.

Com isso, estão mantidos os atuais percentuais de recursos aos poderes e à Udesc (duodécimo) para os orçamentos do próximo ano.

Assessoria de Comunicação da Udesc
Os deputados validaram o parecer conclusivo do deputado Marcos Vieira, contrário ao projeto do Executivo quanto à redução do duodécimo. Esse parecer já havia sido aprovado na reunião da Comissão de Finanças e Tributação (CFT) ocorrida mais cedo nesta terça-feira.

Os deputados concordaram com a construção de um novo projeto de lei para regular a devolução das sobras de recursos dos poderes e dos órgãos autônomos ao Executivo.

“Trabalhamos para reverter a medida, ganhamos apoio de diversas câmaras municipais. Gestores de centros, professores, técnicos e alunos conversaram com deputados e outros líderes em todas as regiões do Estado. Foi uma mobilização em benefício do ensino superior de qualidade e da sociedade catarinense”, avalia o reitor da Udesc, Marcus Tomasi (foto de capa).

Vários deputados discursaram a favor da universidade. “Não era justo com a Udesc retirar os recursos nesse momento que precisamos de investimentos em Educação”, afirmou o deputado Milton Scheffer, em plenário. “A base de uma sociedade é pautada pela educação, e a autonomia dos poderes é muito importante, devem ser respeitadas”, complementou o parlamentar Marcius Machado.

Câmaras endossam apoio à universidade

Várias câmaras de vereadores catarinenses aprovaram ou colocaram em votação nos últimos dias moções contrárias ao projeto de lei ou de apoio à universidade.

O projeto do governo representaria perdas superiores a R$ 40 milhões à Udesc, o que impactaria na continuidade de pesquisas, auxílios estudantis, investimentos, contratos com fornecedores, entre outras contas. A universidade está em todas as regiões de SC, com 12 centros de ensino e 35 polos EAD.

A maioria das moções de repúdio ao corte ou de apoio à Udesc nos legislativos municipais foi aprovada por unanimidade entre os parlamentares.

Em todas elas, o discurso era de que o corte de recursos na universidade deveria ser revisto pelo Governo de SC. Confira as câmaras de vereadores que apreciaram moções favoráveis à Udesc:

  • Belmonte
  • Blumenau
  • Canoinhas
  • Chapecó
  • Florianópolis
  • Guatambu
  • Ibirama
  • Ituporanga
  • Joinville
  • Lages
  • Laguna
  • Lontras
  • Palmitos
  • Pinhalzinho
  • Presidente Getúlio
  • Rio das Antas
  • São Bento do Sul
  • São José
  • Xanxerê

Campanha #OrgulhoDeSerUdesc

Paralelamente às discussões sobre o corte de recursos, a Udesc seguiu com a campanha #OrgulhoDeSerUdesc, que exibe nos canais de comunicação da universidade vídeos com depoimentos de alunos, servidores, egressos e comunidade em geral sobre a universidade.

O objetivo é divulgar ainda mais as atividades da universidade à sociedade, em atividades de ensino, pesquisa e extensão. A campanha já contou com depoimentos do presidente da Federação da Indústria de Santa Catarina (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, da campeão mundial de remo, Fabiana Beltrame (egressa da Udesc), e de dezenas de alunos e servidores.

Entenda o caso

A Udesc recebe 2,49% da Receita Líquida Disponível do Estado. Além da universidade, o Tribunal de Justiça (9,41%), a Assembleia Legislativa (4,34%), o Ministério Público (3,98%) e o Tribunal de Contas (1,66%) recebem recursos de forma percentual. O repasse é mensal e, por isso, é chamado de duodécimo.

Esse repasse é previsto em lei, o que garante a autonomia didática, administrativa e financeira da universidade. Já o percentual de 2,49% é definido todos os anos durante a elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Nesse modelo, quanto mais o Estado arrecada, mais recursos são destinados para a Udesc e para os poderes. Vale ressaltar, porém, que, quando a arrecadação do Estado baixa, o repasse cai, e aí a universidade também tem que reduzir suas despesas.

Agora, os percentuais do duodécimo para 2020 serão mantidos.

Foto de capa tomada da Agência ALESC.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.