Comunidade recebe certificação como remanescente dos quilombos

Publicado em: 26/04/2017 às 11:27
9
Moradores da Linha Beira Campo, interior do município de Sarandi, recebe documento que certifica a comunidade como remanescente dos quilombos (Foto: Reprodução)

Por Marcela Buzatto.

Um grupo formado por famílias moradores da Linha Beira Campo, interior do município de Sarandi, recebeu na semana passada o documento que certifica a comunidade como remanescente dos quilombos. A certificação foi dada pela Fundação Cultural Palmares, através do Ministério da Cultura. A coordenadora estadual de Comunidades Remanescentes de Quilombos da Emater/RS-Ascar, Regina da Silva Miranda, visitou as famílias e fez a entrega do documento.

Na ocasião, participaram do ato o vice-prefeito de Sarandi, Glauber Kunzler, o gerente adjunto do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, Mario Coelho da Silva, a assistente técnica regional social, Marlete Peroza Piaia, e o engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, Luciano Schwerz.

Para contextualizar a importância do documento entregue às famílias, Regina fez um resgate histórico da cultura afro-brasileira, para despertar nas famílias a valorização de sua história. No Brasil, atualmente 2.849 comunidades quilombolas são certificadas. No RS, são 126 comunidades, o que envolve aproximadamente cinco mil famílias de quilombolas. Regina falou ainda sobre a Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) para comunidades quilombolas. O trabalho desenvolvido com esse público busca garantir o acesso à terra, infraestrutura e qualidade de vida, inclusão produtiva e desenvolvimento local, direito e cidadania.

Além do certificado, Regina entregou à comunidade o Guia de Políticas Públicas para Comunidades Certificadas, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Através desse material, as famílias saberão quais políticas e benefícios poderão acessar.

As famílias da comunidade Beira Campo também serão beneficiárias do Brasil Sem Miséria para Famílias Quilombolas. Durante três anos as famílias serão assistidas neste Programa e receberão um recurso no valor de R$ 2.400,00, em duas parcelas, para executar um projeto produtivo. A Emater/RS-Ascar acompanhará todo o processo, desde a seleção das famílias, diagnóstico, visitas, encontros coletivos, intercâmbios, enfim, as famílias receberão toda a Assistência Técnica necessária para desenvolver o projeto.

Durante sua estada na região, Regina visitou ainda uma comunidade quilombola no município de Rodeio Bonito. Na oportunidade, explicou a proposta do Brasil Sem Miséria e entregou o Guia de Políticas Públicas para Comunidades Certificadas.

Fonte: Rádio Palmeira.

Deixe uma resposta