Comunicação popular: um jeito de resistir

Por Ivan Cesar Cima*.

Quando falamos, ou escrevemos sobre a comunicação popular, logo nos vem em mente a possibilidade de que as camadas populares tenham acesso à informações de qualidade e que estas informações reproduzam a realidade em que essas populações vivem. Ainda, considero esta forma de comunicação de fundamental importância, uma vez que representam a possibilidade de dar voz àqueles que os meios tradicionais buscam invisibilizar, esconder. A comunicação popular deve, em sua raiz, contribuir para a construção da cidadania, ser um instrumento de empoderamento e de libertação dos setores populares.

Em nosso país, assim como na maioria das nações, os grandes grupos tradicionais de comunicação dominam a mídia nacional e com isso, o conteúdo e as informações disponibilizadas a população, respondem aos interesses da elite brasileira, a mesma que financia esses grandes grupos de comunicação. Concentrar as informações de importância nacional em um pequeno grupo, não representa aos interesses e anseios das camadas populares, mas sim de uma pequena elite, perversa e gananciosa, servindo apenas para perpetrar um sistema excludente e opressor. Torna-se necessário, portanto, além da mídia alternativa, uma comunicação que tenha um enfoque mais comunitário e local: a comunicação popular.

Mesmo tendo um papel tão importante, esse tipo de comunicação se encontra fragilizado em nossa sociedade, reforçando a soberania dos grandes grupos da mídia nacional. O que nos leva a entender que esse tipo de comunicação é apenas tolerado pelas elites da comunicação.

Outro aspecto de grande importância nesse tipo de comunicação, é seu potencial para a mobilização e conscientização das pessoas, seja no sentido do exercício do próprio direito de comunicar, seja para fornecer informação e também provocar o debate.

Por fim, quando assisto o Programa Vida em Resistência, uma produção do Portal Desacato e do Conselho Indigenista Missionário, Regional Sul, vejo a possibilidade real de dar voz a quem a história do vencedor teima em esconder. Os povos indígenas, por meio deste programa, têm a possibilidade de apresentam a sua realidade, o seu cotidiano de vida, as suas estratégias de resistência frente aos genocídios que os dominadores insistem em impor à eles.

*Ivan Cesar Cima é graduado em Ciências Agrícolas e Mestre em Ciências Ambientais. Membro do Conselho Indigenista Missionário, Regional Sul e atuando na Equipe Frederico Westphalen, RS, junto ao povo Kaingang.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.