Comitê Catarinense de Solidariedade ao Povo Palestino convida  a todos para a denúncia de 70 anos de Nakba

CONVITE PROGRAMAÇÃO NAKBA 2018

2º Ciclo de Cinema Palestino – com debate após o filme – ENTRADA FRANCA

LOCAL: FUNDAÇÃO CULTIRAL BADESC – RUA VISCONDE DE OURO PRETO, 216 – CENTRO – FLORIANÓPOLIS

2 DE MAIO- quarta-feira – 19h – filme: Quando vi você

9 DE MAIO- quarta-feira -19h – filme: O paraíso agora

22 DE MAIO – quarta-feira -19h – filme: O ídolo

30 DE MAIO – quarta-feira -19h – filme: A noiva síria.

Lançamento do livro: “Amálgama de luta e beleza: Somos todos palestinos” de Yasser Fayad

CONVERSANDO SOBRE SIONISMO E NAKBA

21 DE MAIO – segunda-feira –palestra e  lançamento do livro: “Vítimas de um Apartheid ou Ativistas Silenciosos do Sionismo?”  de Hasan Félix

Local: Auditório Curso de Relações Internacionais – UFSC – Florianópolis

PROGRAMAÇÃO GRATUITA

DIVULGUE

[email protected]

Hasan Félix

“Há eventos que ao longo da nossa história nos marcaram por seu alto nível de crueldade. No entanto, a violência contra nós mesmos não é uma questão do passado, cada novo evento parece superar o anterior. Como entender que eventos dessa natureza  acontecem com tão pouca diferença de épocas?

As palavras “catástrofe ou desastre“, como termos específicos que se referem a situações excepcionais de sofrimento, onde as pessoas são submetidas pelos  sistemas coloniais nos leva a ima profunda reflexão. Desta consideração particular, podemos ver que um evento como essa da natureza “catastrófica” é sempre realizada por uma ideologia que promove tanto as diferenças religiosas, raciais ou culturais, criando um clima que incentive um futuro de limpeza étnica, seqüestro em massa e estados de segregação pelos mecanismos coloniais, tendo como cenárias a invasão e a conquista. Este evento traumático é conceitualmente considerado “desastre causado por estruturas invasoras” nos vários lugares do planeta em que ocorreram, independentemente da linguagem falada ou de seus mecanismos de interpretação do mundo.

Se dividirmos a palavra “desastre” em dois, poderemos notar sua origem: des – astre. Em grego, “desastre” feito pelo prefixo un- denotando negação dis- ou reversão de significado, como em: disconforme (não concordo) ou injusto (não é justo) e também pelo substantivo grego Astron (estrela) ou astrum latino. Para os gregos, um “desastre” ocorreu quando a posição das estrelas não era favorável em um determinado momento, por exemplo, na época da colheita ou no nascimento. Como conseqüência do desafortunado movimento astral, uma má colheita ou um infeliz destino foi previsto para a criança ou vice-versa.O termo desastre chegou a espanhol, francês e português provençal, onde significou “infelicidade” e por sua vez veio do “desastre” italiano com o mesmo significado, mas sua verdadeira origem para as culturas latinas é encontrada na Grécia antiga, onde a crença na influência das estrelas nos eventos da Terra lhe deu significado. No entanto, para muitas culturas, desastre responde a essa lógica na qual os eventos impossíveis são resumidos nessa terminologia profunda. Os fatos podem ser compreendidos através das palavras que designam ou significam, embora as conseqüências da colonialidade nos ofereçam certa incapacidade de entender em essência o que temos sofrido.

 Em árabe, a palavra para desastre é “Al-Nakba” e tem o significado específico de “desgraça, catástrofe ou calamidade”, mas com o artigo “al” no árabe seria “A Calamidade”, o desastre ou a catástrofe máxima, o referente. Além disso, em sua raiz etimológica, significa “algo que cai”, é por isso que esta palavra deriva de “ombro”, que cai acima dos ombros e não pode mais suportar, e isso também significa desviar-se de um caminho. Esse sentido metafórico nos ajuda a entender que o Nakba é “um peso que caiu sobre os ombros e não pôde continuar a durar”. O desastre para os povos colonizados é uma circunstância histórica envolvidos pelo infortúnio, pela sobrevivência e na luta pela resistência. A expulsão de 80% da população palestina de suas terras através da violência sionista em 1948 (uma invasão oficializada  pela ONU) foi possível devido a um plano político militar baseado em massacres e destruição em massa de cidades, aldeias e bairros. Esse plano ficou conhecido como “Plano Dalet”, que, segundo historiadores como Walud Khaludi e Illan Papé, buscou a expulsão dos palestinos para a construção do Estado de Israel.

Estas operações de demolição de aldeias em toda a Palestina histórica e a expulsão violenta de seus habitantes, assim como assassinatos, foramconduzidas pelas Brigadas terroristas de  Yitzhak Rabin, mais tarde tornou-se primeiro-ministro e, na arena internacional, foi condecorado com o Prêmio Nobel da Paz. O reconhecimento de personagens violentos por autoridades e governos coloniais tem sido uma prática através da qual os poderes legitimaram massacres e saques.

São 70 anos desde o início oficial da Nakba (pois esta catástrofe precede 1948) e as políticas de assentamentos ilegais israelenses, demolições de casas e a expulsão dos palestinos de suas legítimas terras, inclusive com mudanças  toponímicas e geografias continuam. Como Moshe Dayan (Ministro da Defesa de Israel em 1967) reconheceu: “não há vila, cidade ou cidade em Israel que hoje não tenha um nome hebraico, que anteriormente não possuía um nome árabe (…) devemos reconhecer que nosso país foi construído sobre os árabes “.

A Causa palestina é a nossa causa, pois nos leva a refletir sobre a invasão no continente americano, que sofreu os brutais saques das potências opressoras. Anos atrás, fomos despojados de nossas terras, direitos e riqueza, a tal ponto que hoje devemos aos nossos saqueadores. O Sionismo, que hoje tenta remover o direito dos palestinos, é a versão mais assustadora e moderna destes colonizadores que um dia chegaram em barcos de madeira em  nossos territórios.

 Em cada espaço que temos disponível, devemos denunciar a Nakba, uma vez que a maioria dos meios de comunicação são dominados pelos ideólogos do sionismo, a partir do qual conseguem criar estados de opiniões em pessoas desinformadas. Valendo-se disso, logram, há anos, influenciar incontáveis agrupações religiosas cujos representantes ou alguns dos seus proeminentes partidários a ocupar cargos políticos importantes em suas nações. Não é de se admirar, por isso, o silêncio de todos  frente aos ataques assassinos de Israel, como ocorreu em Gaza ou justificar a profanação da Mesquita de Al Aqsa, pois, para eles, a interpretação destas ações é apenas cumprimento de profecias bíblicas.

 Desmond Tutu disse: “Na África do Sul, não foi possível avançar sem ouvir as dolorosas histórias das vítimas do apartheid na Comissão da Verdade e Reconciliação”. Em 2002, Tutu afirmou que Israel praticava o apartheid com suas políticas para os palestinos. Ele ficou “muito angustiado” durante sua visita à Terra Santa, e acrescentou: “Isso me lembra muito da situação que nós, negros, experimentamos na África do Sul”.

Reconhecer o sofrimento da Nakba nos ajudará a começar a abordar o problema dos refugiados palestinos, desta forma, incentivar projetos de coleta de testemunhos orais devem ser parte da solução na Palestina histórica.   A memória é também um ato de esperança e libertação. Edward Said afirmou em uma ocasião que escrever com mais sinceridade o que aconteceu em 1948 não é apenas praticar historiografia profissionalmente; é um ato profundamente moral de redenção e luta por justiça e por um mundo melhor. Lembrar, quando é um ato de luto e denúncia, abre novas possibilidades para os direitos das vítimas da Nakba. Ampliar a solidariedade internacional e proporcionar novos espaços é o dever de quem  luta contra esta Catástrofe.”

 Viva a Palestina Livre!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.