Com três ministérios, PSB e PPS rejeitam reforma da Previdência

Publicado em: 31/03/2017 às 09:28
2
Roberto Freire, do PPS, assina ato de posse no Ministério da Cultura. Nem participação no governo garante a Temer os votos da bancada para a reforma da Previdência (Foto: Beto Barata/PR)

Por Leonel Rocha.

Nenhum dos 42 deputados dos dois partidos concorda inteiramente com o teor da proposta do governo. Parlamentares dessas bancadas exigem mudanças em pontos considerados fundamentais pelo governo, como aposentadoria rural e idade mínima

Com bancadas influentes na Câmara e deputados ocupando três ministérios importantes (Minas e Energia, Defesa e Cultura), o Partido Socialista Brasileiro e o Partido Popular Socialista rejeitam os termos da proposta de reforma na Previdência enviada pelo presidente Michel Temer ao Congresso. Nenhum dos 42 deputados das duas legendas – 8 do PPS e 34 do PSB – concorda com o teor da emenda que muda as regras das aposentadorias.

No PSB, por exemplo, apenas seis deputados topariam votar a favor da reforma da Previdência. Para isso, porém, exigem que o relator acate sugestões de alterações feitas por alguns parlamentares da bancada. Entre os pedidos do PSB está a diferenciação de idade mínima para efeito de aposentadorias de homens e mulheres. Outra mudança cobrada é a redução de 65 para 60 anos na idade mínima para que os trabalhadores requisitem o benefício. O fim das regras especiais para aposentadorias rurais também é outro obstáculo.

No PPS a dificuldade é ainda maior. O líder, Arnaldo Jordy (PA), pretende condicionar a aprovação das mudanças que o governo pretende à cobrança das dívidas de empresas que ou não recolheram os valores corretos para o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) ou questionam na Justiça a contribuição patronal. “O governo precisa entender que os deputados não podem simplesmente aprovar o que o Planalto quer. É preciso consultar os aliados”, disse Jordy.

Ele entende que a inclusão de um mecanismo de cobrança das dívidas previdenciárias – hoje acumuladas em R$ 426 bilhões – será fundamental para que o Planalto consiga apoio na Câmara. “Não podemos deixar essa dívida sem cobrança. Sugiro que se faça uma programação dos pagamentos sob pena de suspensão do acesso destes devedores aos créditos dos bancos oficiais”, sugeriu o líder do PPS.

Jordy citou bancos como o Bradesco, o Itaú e empresas do agronegócio que devem à Previdência, questionam a cobrança na Justiça e contribuem para o aumento do deficit do setor. “Do jeito que está o PPS vota contra”, reafirmou o parlamentar.

As preocupações do presidente Michel Temer com o voto dos aliados não se restringe ao PSB e ao PPS. Como mostrou ontem o Congresso em Foco, vários parlamentares da base aliada temem perder a eleição em 2018 se votarem a favor da reforma da Previdência.  A maioria da bancada do PTB na Câmara avisou ao líder Jovair Arantes (GO) que o projeto do governo é impopular e tira votos de quem se posicionar a favor de mudanças no regime previdenciário.

Fonte: Congresso em Foco.

Deixe uma resposta