Com placar de 4 a 0 favorável a enquadrar homofobia como racismo, votação é suspensa

Até o momento, votaram os ministros Celso de Mello, Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso; julgamento não tem data para ser retomado.

Foto: Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu, nesta quinta-feira (21), o quarto dia de julgamento a respeito da criminalização de condutas discriminatórias contra a comunidade LGBTI. Até agora, o placar aponta 4 a 0 a favor de enquadrar a homofobia e a transfobia como crime de racismo, de acordo com informações de Rosanne D’Agostino e Mariana Oliveira, no G1.

Duas ações pedem a criminalização de todas as formas de ofensas, individuais e coletivas, homicídios, agressões e discriminações motivadas pela orientação sexual e/ou identidade de gênero, real ou suposta, da vítima.

Os dois relatores das ações, os ministros Celso de Mello e Edson Fachin entenderam que o Congresso Nacional foi omisso ao discutir o tema e que ocorreu uma demora inconstitucional do Legislativo em aprovar uma lei para proteger homossexuais e transexuais. Por isso, cabe ao Supremo aplicar a lei do racismo para preencher essa lacuna.

Pouco antes das 18h30, após quatro votos, o julgamento foi suspenso por Dias Toffoli, presidente do STF. Ainda não há data para a retomada da análise.

Argumentos

Em seus votos, os ministros do STF mostraram as razões que os levaram a votar favoravelmente ao enquadramento da homofobia e da transfbia ao crime de racismo.

Fachin

O ministro Edson Fachin argumentou que a proteção de direitos fundamentais permite ao Supremo a interpretação de crimes sem que haja interferência na atividade legislativa. Disse, ainda, que falta uma lei específica, o que inviabiliza o exercício de direitos da comunidade LGBTI.

Alexandre de Moraes

O ministro Alexandre de Moraes disse: “Há uma constante discriminação homofóbica e transfóbica arraigada em muitas pessoas que compõem a população. […] Esse estado de mora exige há 30 anos uma edição de lei por parte do Congresso Nacional”.

Barroso

Luís Roberto Barroso ressaltou: “Não escapará a ninguém que tenha olhos de ver e coração de sentir que comunidade LGBT é grupo vulnerável, vítima de preconceitos e de violência”.

Celso de Mello

Na quarta-feira (20), Celso de Mello havia afirmado que há “omissão” e demora inconstitucional por parte do Poder Legislativo ao não votar a criminalização da homofobia. Para o ministro, “mostra-se indispensável que o Estado proteja os grupos vulneráveis”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.