Com foco de Bolsonaro na PF, caso Marielle não pode ser federalizado, diz viúva

Campanha quer permanência no Rio; transferência de investigação para a Polícia Federal será julgada pelo STJ

Monica Benício, viúva de Marielle Franco, participou de reunião na ONU, em Genebra / Divulgação/Observatório da Intervenção

“Não queremos que a polícia federal atue no caso da Marielle, já que é uma instituição em que o presidente quer interferir”, diz a ativista Mônica Benício, viúva da vereadora Marielle Franco.

Ela se refere ao pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para federalizar a investigação do assassinato de Marielle e do motorista Anderson Gomes. Ocorrido em 14 de março de 2018, o crime completou na sexta-feira (22) 800 dias sem resposta de quem mandou matá-los.

Uma campanha, liderada pelo Instituto Marielle Franco e pela Coalizão Negra por Direitos, está colhendo assinaturas de apoio. É uma iniciativa que reúne mais de 150 entidades que defendem a luta por direitos no país. No próximo dia 27, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) vai julgar essa ação.

:: Em reunião, Bolsonaro confessa interferência na PF e intenção de “proteger a família” ::

Em entrevista ao jornalista Rafael Garcia, na Rádio Brasil Atual, Mônica disse que essa mudança vai atrapalhar o caso. Segundo ela, a federalização não tem razões no campo jurídico para se justificar. A mudança significa deslocar a competência do Rio de janeiro, do Ministério Público e da Polícia Civil, e transferir a competência para a Polícia Federal.

“A PF passa por uma situação de crise. O ex-ministro Sergio Moro apresentou sua demissão, dizendo que o presidente queria intervir na Polícia Federal. Especificamente na polícia do Rio de janeiro”, afirma Mônica.

Ela completa: “E logo depois o presidente faz um pronunciamento, assumindo que queria fazer as interferências, inclusive a respeito do caso Marielle Franco, quando ele fez a Polícia Federal ir até Mossoró interrogar o Ronnie Lessa, que é o suspeito de ser atirador e está preso (…). Ele inclusive ele teria uma cópia desse interrogatório”, destacou a ativista. “Isso deixa a gente muito preocupada. Porque não se justifica juridicamente e a gente tem razões para não acreditar que a federalização seja o melhor caminho.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.