CNS defende taxação de grandes fortunas como alternativa de investimentos para o SUS

Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) poderia incidir sobre patrimônios líquidos superiores a R$ 22,8 milhões (Foto: Sharon McCutcheon/Unsplash)

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) defende a taxação de grandes fortunas como alternativa de novos investimentos para o Sistema Único de Saúde (SUS). Em meio ao preocupante cenário da pandemia provocada pela Covid-19, que tem sido a prioridade para o Controle Social, o CNS atua em diferentes frentes para evitar que o SUS entre em colapso. A proposta também consta no documento que o CNS enviou para orientar conselhos de Saúde frente à crise.

Entre elas, está a pressão para a aprovação de projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional sobre este assunto. Atualmente, somente no Senado Federal existem quatro propostas em análise. Entre elas, o Projeto de Lei Complementar (PLP) 183/2019, do senador Plínio Valério, que cria o Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF) para incidir sobre patrimônios líquidos superiores a R$ 22,8 milhões, com alíquotas que vão de 0,5% a 1%.

Se aprovado, a arrecadação anual prevista será de R$ 70 a 80 bilhões, sendo que 50% dos recursos serão destinados ao Fundo Nacional de Saúde (FNS), 25% para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e 25% ao Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza. O projeto está em tramitação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e tem a relatoria do senador Major Olímpio, que é favorável ao texto, mas fez uma mudança em relação à proposta original: tornou o imposto temporário, com duração de apenas dois anos.

Em 2015, o senador Paulo Paim já apresentava uma proposta para votação, o Projeto de Lei do Senado 315/2015, que institui uma alíquota de 1% sobre o patrimônio que ultrapassar R$ 50 milhões. Na Câmara dos Deputados, tramita desde 2011 o PLP nº 48, de autoria do deputado Dr. Aluízio, que prevê a Contribuição Social das Grandes Fortunas com alíquota progressiva (0,55% a 1,80%) conforme valor do patrimônio, sendo o inicial acima de R$ 5,5 milhões.

“Estamos pautando isso há tempos, porque é uma possibilidade real de ampliar o orçamento da Saúde pública no nosso país. Neste momento de crise, que atinge a Saúde e a economia brasileira, é urgente que os bilionários que detêm grandes fortunas no nosso país deem a sua contribuição”, afirma o presidente do CNS, Fernando Pigatto.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil tem a segunda maior concentração de renda do mundo, sendo que a parcela dos 10% mais ricos concentram 41,9% da renda total do país. A ideia para criar um imposto específico para a faixa mais rica da população consta na Constituição Federal de 1988, mas nunca avançou no Congresso Nacional.

Alternativas de investimentos para o SUS

Além de taxar os grandes bilionários brasileiros, O CNS também tem atuado pela revogação imediata da Emenda Constitucional (EC) 95, que congelou em 2017 os investimentos em saúde até o ano 2036 e agravou ainda mais o desfinanciamento do SUS.

As duas propostas constam no relatório da 16ª Conferência Nacional de Saúde (8ª+8), realizada em agosto de 2019. Os cinco mil participantes do evento também aprovaram a realização de uma reforma tributária e a implementação de alíquotas progressivas para o Imposto de Renda, além da tributação das remessas de lucros e dividendos pelas empresas multinacionais, com a garantia de destinação para o orçamento da Seguridade Social. A medida poderá inverter o modelo que hoje onera mais o consumo do que a renda, prejudicando a população mais pobre.

A tributação para embarcações e aeronaves e o aumento de tributação sobre produtos danosos a Saúde, como bebidas alcoólicas, alimentos com alta concentração de açúcar e sódio, tabacaria, agrotóxicos, conservantes e corantes, também estão entre as alternativas, além de garantir o repasse de 5% das apostas de loterias federais para a Saúde.

Outros projetos que tramitam no Congresso Nacional  

  • PLP 38/2020, institui o Imposto Extraordinário Sobre Grandes Fortunas durante o período de calamidade pública no Brasil. Conforme a proposta, a pessoa com patrimônio líquido superior a 50 mil salários mínimos deverá contribuir com a alíquota de 0,5% ao ano.
  • PLP nº 50/2020, institui imposto sobre grandes fortunas e empréstimo compulsório para financiar necessidades de proteção social decorrentes da Covid-19.

Ascom CNS, com informações da Agência Senado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.