Ciranda

Por James Ratiere, para Desacato.info.

Perto de mim quero flores,

não precisam ser cheirosas, mas multicores

pra eu poder dar aos meus amores

e amenizar do mundo suas dores

Seus corações alegrar

Ver sorrisos, ver dançar,

Passos em giro, gargalhadas

Quero ver cambalhotas, trombadas

O mundo precisa ser mais bobo

Como um palhaço num circo

Água na cara, tombo, pó de mico

coça coça minha gente, dá-lhe o apito

O mundo precisa de risadas

pra que se torne mais colorido

Nada é tão triste minha gente

que possa derrubar o espírito

Salve a ciranda, brinca sim senhor

bota criança na rua por favor

Faz parte, dá trabalho,

grita mundo, abre o talho

Machucou? beija e assopra

Vai sarar logo senhor?

Daqui a pouco cê nem nota

Vamo menino, joga a bola

Faz o gol, grita bem alto, olha o herói

Pai é ausente, mas não faz mal

Mãe tá ali, fecha total

Cuida da gente, é desatino

Chega presente, faz-se o destino

Torna o outro, mais que um cantor,

Hoje é um homem, parece doutor

Mãe tá sorrindo, filho – um canudo

Consegui mamãe, terminei o estudo

dá pra saber, dá voltas coração

chora a mãe, musica, emoção

Mãe quero colo, o mundo dói

chora não meu filho, tudo passa, tristeza vai

a gente sente, não tem mertiolate

cresceu o menino, o mundo bate

Mãe me embala, dói aqui dentro

to aqui menino, sempre, sempre atenta,

caminha com coragem, um dia tu chega

acabou a viagem, mamãe escorrega

Já não tem colo, já não tem mãe

é homem feito o menino, não precisa mais

precisa sim, do cheiro das flores

que flores?

Do vestido estampado, no peito de mamãe.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.