Ceom atualiza dados de sítios arqueológicos das regiões Oeste e Planalto de Santa Catarina

Fonte: Ceom. O projeto visitou o sítio localizado em linha Aparecida, Itapiranga/SC.

O único meio de acessar o passado de nossa região é por meio de vestígios deixados por quem já viveu aqui muitos anos atrás. Eles contam a história de sociedades antigas e ainda contribuem para reconstituir o ambiente, as paisagens e o clima da época. Por isso, o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom) da Unochapecó em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), está atualizando dados previamente coletados sobre a localização e o estado de preservação dos sítios arqueológicos das Regiões Oeste e Planalto de Santa Catarina. A segunda etapa do Projeto de Recadastramento segue até julho deste ano.

Nesta fase, a equipe visita os municípios de Águas de Chapecó, Caibi, Caxambu do Sul, Cunha Porã, Itapiranga, Mondaí, Palmitos, Pinhalzinho, São Carlos, Saudades, Barra Bonita, Dionísio Cerqueira e São João do Oeste. Nesses municípios estão registrados mais de 150 sítios arqueológicos. Um deles é o ACH-LP-07, localizado em Águas de Chapecó. Ele registra a presença mais antiga do homem em Santa Catarina, que ocorreu há 11.700 anos.

Outro local importante é a região de Itapiranga, que foi alvo de pesquisa realizada pelo padre jesuíta João Alfredo Rohr, em 1966. Ele registrou 53 sítios arqueológicos a pedido da então Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, atual Iphan. Com isso, João revelou pela primeira vez a importância e a riqueza do patrimônio arqueológico da região do alto Uruguai.

Para a coordenadora do Ceom e do projeto, professora Mirian Carbonera, as atividades de campo revelam que a conservação dos sítios está bastante comprometida. “Ainda está faltando conscientização sobre a importância desses locais, pois muitas pessoas não valorizam este patrimônio e não contribuem para sua preservação”, completa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.