Centrais vão às ruas nesta quarta-feira para denunciar pacote de maldades de Bolsonaro e Guedes

SMETAL-CUT

Por Érica Aragão.

Portal CUT Brasil – Para denunciar que a política econômica da dupla Jair Bolsonaro, presidente da República e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, é praticamente uma cópia da que foi implantada no Chile há décadas e que levou a população à miséria, as centrais sindicais CUT, CTB, CSP- Conlutas, Força Sindical, UGT, CSB, CGTB, Nova Central, Intersindical estarão nas ruas do centro de São Paulo nesta quarta-feira (13).

Nas proximidades do Teatro Municipal, no centro da capital paulista, a partir das 9 horas, sindicalistas vão fazer panfletagem e dialogar com a população com objetivo de alertar sobre as medidas do governo de Jair Bolsonaro (PSL) e seu ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, que sempre beneficiam os empresários e prejudicam os trabalhadores e trabalhadoras.

Além da reforma da Previdência, que dificulta o acesso aos benefícios previdenciários, o governo Bolsonaro agora quer criar a chamada Carteira de Trabalho Verde e Amarela. com menos direitos trabalhistas, impedir novos investimentos em áreas essenciais para a população, reduzir jornadas e salários de servidores públicos e acabar com o aumento de reajustes de benefícios sociais com base na inflação.

É disso que se trata o “Plano Mais Brasil” – apresentado na semana passada, composto por três propostas de emenda à Constituição (PECs): a Emergencial, a de Fundos Públicos e a do Pacto Federativo – que, segundo economistas, não melhora a economia e só aumenta a desigualdade no país.

Os sindicalistas vão dizer também à população que este pacote de Guedes é praticamente igual ao que foi implantado no Chile há décadas e que levou os chilenos às ruas em massa. A população quer empregos, aposentadoria digna, ter dinheiro para pagar contas de luz e água, que lá são privatizadas, caras e inacessíveis.

“As PECs anunciadas por Bolsonaro e Guedes atacam diretamente os mais pobres e a classe trabalhadora, além de piorar a crise social e econômica em que o país está vivendo. Eles querem implementar as mesmas medidas que fizeram no Chile e não podemos permitir”, afirmou o presidente da CUT, Sérgio Nobre.

Segundo o dirigente, esta é a primeira de uma agenda de ações das centrais porque a ideia é mobilizar também os bairros, as comunidades, as feiras e praças para dialogar com a população e, principalmente, com os desempregados.

Para Sérgio é preciso que os sindicatos façam a mesma coisa.

“Além dos locais de trabalho, precisamos ir aos locais de moradia da população para alertar que se não se organizar e não vier para a luta contra este pacote de crueldade iremos enfrentar um caos e a situação econômica e social do país pode piorar”.

Plano Emergencial

As centrais irão apresentar, na segunda-feira (18), no Sindicato dos Químicos de São Paulo, um Plano Emergencial para conter a crise, o desemprego, a fome e a tragédia social que seguem crescendo no país.

“O Plano Emergencial será feito coletivamente pela classe trabalhadora, centrais sindicais, movimentos sociais, as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, partidos políticos e igrejas e tem como principal objetivo proteger o setor mais vulnerável da população, em especial o desempregado”, disse o presidente da CUT, Sérgio Nobre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.