Centrais sindicais querem “agenda do/a trabalhador/a” no debate eleitoral

Foto: Railídia Carvalho.

Por Railídia Carvalho.

“Por que em frente a Fiesp? Porque eles são o símbolo do que aconteceu no Brasil nestes dois anos. Eles, ao lado da Confederação Nacional da Indústria (CNI), lideraram o processo pelo fim da legislação trabalhista. Nós vamos dar um recado para eles: o povo brasileiro não aceita essa condição. O Brasil que eles estão construindo não é o nosso Brasil. O país que a gente quer vai nascer da luta”, declarou ao Portal Vermelho Sérgio Nobre, secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Na opinião do presidente em exercício da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Divanilton Pereira, o ato do dia 10 de agosto cumpre a agenda de resistência dos trabalhadores em defesa dos direitos e também cria um ambiente político com uma pauta dos trabalhadores que possa influenciar nas eleições que ganham novo impulso a partir do dia 15 de agosto. Nesta data se encerra o prazo para o registro de candidatos às eleições de outubro.

“Se fizer um estudo comparativo provavelmente se concluirá que o movimento sindical e social geraram um quantitativo de enormes paralisações neste dois anos com destaque para a greve de 28 de abril do ano passado. Isso expressa a manifestação sindical e social contra a agenda golpista”, analisou Divanilton.

De acordo com ele, o dia 10 de agosto integra esse movimento de resistência e a Agenda Prioritária sistematiza o sentimento dos trabalhadores em um país que mantêm 28 milhões de trabalhadores subocupados. “A plataforma composta por 22 itens que tem o trabalho como centralidade quer trazer para o centro do debate propostas pela retomada do desenvolvimento para gerar os empregos que precisamos gerar para 28 milhões de homens e mulheres no país”.

No dia 25 de julho as centrais sindicais voltam a se reunir na sede do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese) para avaliar a mobilização do dia 10. Participaram da reunião ampliada nesta quarta dirigentes da CTB, CUT, Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), União Geral dos Trabalhadores (UGT), Intersindical, Conlutas e Força Sindical. A Central de Sindicato Brasileiros não esteve nesta quarta mas também integra a mobilização pelo dia 10 de agosto.

Além da luta para que sejam implementadas no país medidas emergenciais contra o desemprego, as centrais também levam para o protesto a defesa da Previdência Social e a denúncia do aumento abusivo dos combustíveis como efeitos perversos especialmente sobre o preço do gás de cozinha.

Confira AQUI as propostas da Agenda Prioritária da Classe Trabalhadora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.