Celso de Mello vota e completa placar unânime da Segunda Turma do STF contra libertação de Lula

Decano é contra prisão após condenação em segunda instância, mas respeitou “princípio da colegialidade”.

Foto: Dorivan Marinho

Decano do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Celso de Mello deu nesta quinta-feira (10) o último dos cinco votos na Segunda Turma da corte contra o recurso da defesa do ex-presidente Lula para tirá-lo da cela especial em que cumpre pena, desde 7 de abril, na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PF). O placar, unânime, foi atualizado há pouco em uma plataforma virtual do STF, em que os magistrados registram seus votos eletronicamente, sem julgamento presencial, uma vez que o caso já foi repetidamente discutido no tribunal.

Além da decisão da Segunda Turma, o relator de outro pedido da defesa de Lula, ministro Edson Fachin, rejeitou nesta quinta-feira (10) recurso em que o petista pedia a reversão de uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), também no sentido de negar a libertação do ex-presidente. Também coube a Fachin apresentar relatório no julgamento virtual daquele colegiado. O ministro já havia negado outros pedidos de habeas corpus a Lula.

Na ordem de votação, apresentaram seus votos contra Lula na Segunda Turma do STF os ministros Fachin, a quem coube abrir a análise da demanda, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, que registrou seu voto ontem (quarta, 9), e Celso de Mello. Em sua argumentação, o decano recorreu ao entendimento do Supremo, firmado no início de 2016, a favor da execução provisória da pena de prisão já a partir de condenação em segunda instância.

“Cabe observar que o plenário do Supremo Tribunal Federal, contra o meu voto, entendeu legítima, sob perspectiva constitucional, a possibilidade daquilo que eu próprio denominei ‘esdrúxula execução provisória de condenação criminal sem trânsito em julgado’. Desse modo, bem ou mal, essa matéria foi efetivamente debatida e apreciada pelo plenário desta Suprema Corte’”, ponderou Celso de Mello, lembrando ter sido voto vencido no julgamento que apontou a constitucionalidade da antecipação da pena.

A exemplo dos pares de Segunda Turma, o magistrado fez referência à tese da colegialidade, que resguarda decisões coletivas majoritárias, para negar a soltura de Lula. “Daí a correta observação feita pelo eminente ministro Edson Fachin, registrando que, no caso, houve ‘pronunciamento específico e explícito do plenário da Suprema Corte no sentido de que a autorização de cumprimento da pena imposta ao ora reclamante não representa constrangimento ilegal, inexistindo, nem sequer no campo das alegações, fato superveniente que albergasse, nesse momento, conclusão diversa’”, acrescentou o decano.

“Violação de dignidade”

A defesa de Lula ainda tem direitos a recursos, inclusive no STF, e diz que continuará a contestar a prisão do petista, classificando-a como ilegal. Por meio de nota divulgada na manhã desta quinta-feira (10), os defensores de Lula dizem que a decisão do colegiado do STF – que, em julgamento de plenário, já chegou a anotar cinco votos a favor de habeas corpus, em posição apertada entre 11 ministros – ”viola a dignidade da pessoa humana e outras garantias fundamentais”.

“É incompatível com a Constituição Federal e com o caráter ilegal da decisão que condenou Lula por crime de corrupção baseado em ‘atos indeterminados’ e sem a comprovação de qualquer solicitação ou recebimento de vantagem indevida”, diz a nota assinada pelos advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Martins, para quem a sentença de primeira instância, do juiz Sérgio Moro, que levou à prisão de Lula exibe “grosseiras nulidades” e teve como base relatos de um “corréu” – referência ao delator Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS que também foi condenado no caso do tríplex do Guarujá.

Mesmo preso, o ex-presidente é mantido como pré-candidato do PT para a sucessão presidencial de outubro. Enquadrado na Lei da Ficha Limpa, Lula lidera todas as pesquisas de intenção de voto, mas corre o risco de sequer ter seu nome incluído na urna de votação. Hoje (quinta, 10), o partido anunciou recursos ao Tribunal Superior Eleitoral para garantir que, enquanto Lula estiver preso, um substituto por ele indicado possa participar de debates entre presidenciáveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.