Catadores protestam em SP contra suspensão de convênio que garantia caminhão de lixo

Cerca de 700 pessoas foram escaladas para limpar a cidade após as festas do carnaval de rua.

Por Eliane Gonçalves.

Os foliões vão para casa e entra em cena o bloco da limpeza. Das 2h às 10h, garis varrem e lavam as ruas da capital paulista para a festa recomeçar. Sem essa turma, que usa vassouras ao invés de bateria, o carnaval seria outro.

Para fazer esse trabalho, foram escaladas 700 pessoas pela Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb). A tarefa é feita com exclusividade pelas concessionárias, inclusive a coleta de material reciclado.

Foi justamente essa exclusividade que levou as cooperativas de reciclagem a colocar o bloco na rua no último dia de carnaval em São Paulo. Tambores, maracas e estandartes foram usados pelo Bloco da Reciclagem para protestar contra a suspensão do convênio que garantia um caminhão de coleta para cada cooperativa. O protesto aconteceu em um dos polos centrais do carnaval paulistano, o Largo da Batata.

A assessoria de imprensa da Amlurb confirmou que a prefeitura não fornece mais os caminhões para as cooperativas  porque o contrato acabou e a nova licitação não foi concluída. Desde o dia 9 de janeiro, a coleta de material reciclável está a cargo das duas concessionárias contratadas pela prefeitura.

A licitação não acabou por recomendação do Tribunal de Contas do Município (TCM). Segundo o tribunal, existem indícios de superfaturamento nos preços dos contratos dos caminhões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.