Cartas Baianas


Por Emanuel Medeiros Vieira.

Carta aberta a um amigo (e compadre) querido

Dileto Paulão

Não somos “mornos”.

Não somos sepulcros-caiados.

Eu sei: sempre damos a cara ao tapa.

Isso tem um preço.

Muitos se omitiram (claro, outros combateram) a ditadura brasileira.

Mais cedo, quantos se abstiveram de combater o ovo na serpente que era o nazismo?

Ou o fascismo?

“Não, não te mete, vai dar problema”, diziam.

E a sombra do medo entrava nos corações e mentes.

No tempo tão finito de nossas vidas – com todas as pedreiras do caminho – é possível deixar algo além da poeira do tempo.

Por que escrevo assim?

Redigi um texto que intitulei de “A nova direita brasileira”, e um blog o postou.

O ser humano se engrandece pelo contraditório, pelo combate através do diálogo.

Não sou onipotente. Poderiam combatê-lo, contestando tudo o que disse.

Não. A nação petista que o leu ficou irritada e exasperada.

Mas não escreveu algo que o contraditasse.

Alguém o classificou de “lastimável”.

Lastimável?

Em vez do adjetivo, não era melhor contestá-lo?

São mentiras o que eu disse?

Exemplos:

Eu escrevi disse (ou melhor, eu “lembrei”) que a executiva do PT, que age com mão de ferro contra os dissidentes, dissolveu o diretório regional do Maranhão, obrigando o apoio do partido à “socialista” e “impoluta” Roseana Sarney, candidata ao governo daquele Estado.

Mentira?

Lastimável não é o meu texto.

Mas o que o partido está fazendo.

Lógico: a verdade mesmo libertando, incomoda quem não a quer ver.

O PT não está aliado à  elite escravocrata nordestina?

É mentira?

Quem são Fernando Collor e Renan Calheiros?

Aqui na velha Bahia, o governo que foi eleito combatendo o carlismo, trouxe crias de ACM para sua chapa, e alijou da maneira mais cruel um político honrado como Waldir Pires.

É mentira?

Num estado com tantas carências e tanto sofrimento, o governador petista gasta em propaganda muito mais do que em saúde, educação e segurança juntos.

É demais!

Sinceramente: eu nunca vi tanta propaganda na vida.

É um delírio narcísico!

É um mundo virtual.

É só andar por Salvador para ver que ele não existe na realidade.

E “mentem”. Sim, mentem.

Parece que aprenderam como um ministro de um chanceler austríaco que fez rápida carreira na Alemanha nos anos 30.

(À História cabe revelar o que aconteceu.)

Ele dizia que uma mentira repetida dez vezes vira uma verdade.

Eu disse que o programa eleitoral do PT não estima a reflexão, mas foi criado a peso de ouro para manipular as emoções mais primárias, como se fosse uma novela.

Pagam rios de dinheiro a marqueteiros, que formam uma nova casta nacional na arte de enganar e de mentir. Não querem politizar o debate.

Vão ganhar as eleições?

E daí?

A gente não entra numa batalha só para ganhar.

Imagino, na partilha do poder, o que vai acontecer com essa aliança franciscana e edificante: PT e PMDB.

O partido que foi de Ulysses, não é guloso, mas idealista; não luta só por cargos.

Não é um balcão de negócios, mas aspira à transformação da sociedade brasileira..

Tem estadistas do porte de Geddel Vieira Lima, de Jáder Barbalho, de Romero Jucá, de José Sarney e de outros.

(Além dos supra-citados Collor e Renan.)

É mentira?

É o meu texto que é “lastimável”?

Ou esse tipo de aliança?

Eu sei o que vão dizer.

“E as outras alianças?”, indagarão.

Será que o mesmo álibi será  repetido a vida inteira?

Eu?

Só tenho duas mãos e o sentimento do mundo, como dizia Drummond.

Não vou me alongar.

Não tenho outro poder, senão o de buscar dizer a verdade

diariamente naquilo que escrevo.

Pode parecer romântico e espiritualista, mas desde que optei pelo ofício, creio que a literatura é um caminho de transcendência.

(E no meu coração, espero que o Espírito um dia prevaleça.)

Toda a escrita é também uma oblação, algo que se oferta aos outros.

Eu sei: muita gente muda, e m a maior parte dos que mudam é da esquerda para direita. Afinal, é mais confortável ser a favor dos fortes que dos fracos.

É preciso conservar a fidelidade a si mesmo.

Como alguém lembrou, no dia do Calvário, a massa aplaudia a causa triunfante dos crucificadores, mas o Cristo, solitário e vencido, era a causa de Deus.

Com a sincera estima do Emanuel – escrevendo da terra de Castro Alves, de Anísio Teixeira, de Glauber Rocha, de Raul Seixas e de outros iluminados, “possuídos” pela ira sagrada da Justiça.

(Salvador, 25 de agosto de 2010)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.