Canadenses da Tilray vão produzir canábis medicinal em Cantanhede

Os contatos da Tilray para ter unidades em Portugal de plantação e produção de canábis começaram em 2015, tendo em 2016 feito um acordo com a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) com vista a esse investimento. Em Fevereiro passado, o Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde indicara ao PÚBLICO a existência de um projeto, apresentado por uma empresa do Canadá, para a construção de “uma unidade industrial de transformação e purificação” de canábis para efeitos medicinais.

A Tilray Portugal foi criada já em Março deste ano, localizando-se as instalações para a produção de canábis perto do parque biotecnológico Biocant em Cantanhede, distrito de Coimbra. Os campos de cultivo, unidades fabris e laboratórios da Tilray em Cantanhede empregarão 100 pessoas.

Ainda este mês, a empresa prevê que arranque a construção de instalações para cultivo e processamento da canábis, incluindo campos de cultivo, estufa de 10.000 m2 (metros quadrados), instalação de processamento de 1.500 m2, laboratório interno e banco genético. O objectivo é estas infra-estruturas estarem concluídas até à primavera de 2018. Apenas com a primeira fase do projeto concretizada, a Tilray prevê aumentar a sua “capacidade de produção global em 62 toneladas anuais, até ao final de 2018”.

De futuro, e até 2020, é esperada a outra fase do projecto, com mais 15 mil m2 de espaço de cultivo em estufa, 1.500 m2 destinados de área de processamento. No total, a Tilray espera ter na unidade de produção e processamento de canábis medicinal em Cantanhede estufas de 25.000 m2 e instalações de 3.000 m2.

Por que Portugal?

A Tilray tem operações no Canadá, na Alemanha, na Austrália e na Nova Zelândia e o investimento em Portugal, através da subsidiária Tilray Portugal, visa responder ao aumento da procura de canábis para fins medicinais. A empresa exporta os seus produtos para seis países e, até o final de 2017, estima vender produtos de canábis com fins medicinais para mais cinco países.

A escolha de Portugal para o investimento na Europa desta empresa líder mundial na produção de canábis deveu-se, segundo o seu presidente executivo, ao facto de o país ter acesso ao mercado comum e aos trabalhadores altamente qualificados na área da biotecnologia.

Contudo, destacou, o principal fator foi mesmo o clima, favorável ao desenvolvimento da planta canábis. “Portugal tem o clima ideal (…). O clima foi extremamente importante [na escolha], porque podemos produzir produtos [de canábis] mais amigos do ambiente”, disse à Lusa Brendan Kennedy, presidente executivo da Tilray.

A canábis medicinal e as substâncias derivadas de canabinoides produzidos em Portugal terão como destino os países europeus, sobretudo a Alemanha, onde no início deste ano foi legalizada a canábis para fins terapêuticos, disse Brendan Kennedy.

O responsável explicou ainda que a empresa quer levar a cabo, em Portugal, investigação sobre a eficácia da canábis em várias doenças, como stress pós-traumático (PTSD), doença pulmonar obstrutiva crónica, epilepsia pediátrica e náuseas provocadas pela quimioterapia, através de parcerias com investigadores académicos e hospitalares, como já faz noutros países.

O uso de canábis para fins medicinais é proibido em Portugal. No início do ano, foi noticiado que o Bloco de Esquerda pretendia avançar ainda este ano com iniciativas para legalizar a canábis para uso terapêutico, bem como para recreativo, mas até agora ainda não entrou qualquer legislação no Parlamento. Fonte oficial do Bloco de Esquerda disse hoje à Lusa que o partido está a preparar o diploma.

Fonte: PÚBLICO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.