Caminhos possíveis para um turismo sustentável em Porto Seguro, Bahia

Foto: GOBVA
Foto: GOBVA

Por Elissandro Santana.

Na quarta edição da Revista Letrando, no artigo “Sugestão de pesquisa em torno das ações insustentáveis e déficits socioambientais no turismo de Porto Seguro-Bahia” e na edição do portal Desacato, publicada em julho de 2016, no artigo “Ações insustentáveis no turismo de Porto Seguro Bahia” apresentei discussões acerca domodus operandi equivocado nas atividades turísticas na cidade de Porto Seguro.

A sugestão de pesquisa mostrou que é necessária uma transformação na arquitetura mental da gestão pública e do corpo empresarial que explora o potencial turístico do município, pois, na ausência de uma agenda sustentável, que leve em conta os recursos naturais, históricos e culturais como capitais naturais essenciais para a cidade, haverá o esgotamento da principal matriz de produção/geração de trabalho, de renda e de riquezas em Porto Seguro.

Nos dois artigos mencionados que servem de reflexão para essa elucidação, são apresentados alguns dos espaços da cidade nos quais o turismo imprime suas expressões predatórias sem compromisso com a preservação e com a conservação dos capitais naturais dos quais se vale. Dentre esses espaços, Santana (2016, p. 171) apresenta: Há pontos estratégicos para o turismo na cidade. Começando pelo centro, há a Passarela do Álcool, onde, diariamente, são armadas barracas para vendas de alimentos, bebidas e artesanatos locais, com a circulação de milhares de pessoas. Esse ponto turístico também é o local para a realização das festas mais importantes da cidade, com bandas e circulação de trios elétricos. O problema é que esta parte está localizada às margens do Rio Buranhém, que deságua no mar, e, após as festividades, são visíveis os impactos ambientais com a presença de resíduos sólidos como garrafas plásticas, de vidro e de metal no leito do rio. Na Orla Norte há grandes empreendimentos como barracas e hotéis com festas na praia, em que é possível verificar o acúmulo de resíduos sólidos e líquidos. Além desses problemas, vários rios e riachos desse perímetro estão contaminados com o despejo de esgotos e outros resíduos. Para piorar a situação, novos empreendimentos e condomínios são construídos nesta parte da orla a cada ano. Do centro de Porto Seguro para o Arraial d’Ajuda (outro ponto muito importante para o turismo) há a travessia de balsa pelo Rio Buranhém e tais embarcações são abastecidas às margens do próprio rio, o que demanda cuidado e política sólida de fiscalização ambiental, pois há o risco de contaminação da água com o vazamento de óleo. Do outro lado, há engarrafamentos na Estrada do Arraial até o Centro do Distrito e isso provoca, além dos ruídos que perturbam aves e outros animais da fauna local, poluição com o lançamento de CO2. Saindo do Arraial, há o turismo ainda mais luxuoso no Distrito de Trancoso e, nesse espaço, a natureza passa por um acelerado processo de desgaste, em que grandes hotéis são construídos e o distrito, por conta do sucesso advindo do turismo, atrai um contingente de pessoas de outras partes do município e de outras cidades da região, ocasionando o crescimento urbano e populacional desordenado, com o surgimento de bairros sem condições sanitário-ambientais.”.

Essa forma de explorar o turismo coaduna com a visão do capitalismo exploratório, onde prevalece a concorrência com foco somente no lucro e, acerca desse fenômeno capital, cabe apresentar o que pontua Boff (2014, p. 34): “É notório que o sistema capitalista imperante no mundo é consumista, visceralmente egoísta e depredador da natureza. Está levando toda a humanidade a um impasse, pois criou uma dupla injustiça: a ecológica, por estar devastando a natureza, e outra social, por gerar imensa desigualdade social.”.

No que concerne às desigualdades sociais, pode-se mencionar que o lucro advindo do turismo em Porto Seguro não beneficia todas as camadas e parcelas da população da cidade. Nesse âmbito, uma pesquisa com recorte específico em relação aos salários pagos aos trabalhadores que atuam diretamente com o turismo ou em atividades satélites corroborará o quadro de injustiça social, mostrando que os maiores beneficiários com a exploração das atividades turísticas na região são os donos do capital.

Como pontua Boff, o capitalismo consumista, além das injustiças sociais, também provoca a injustiça ecológica e isso se manifesta de várias formas. Nesse sentido, é possível concatenar o que afirma o autor supracitado com as injustiças ambientais na cidade. Por exemplo, no sentido Arraial d’Ajuda-Trancoso, em um passado não muito distante, havia um espaço conhecido por/como Lagoa Azul que, por conta de ações insustentáveis no turismo, seja com a entrada sem controle de visitantes, seja pela retirada da cobertura vegetal que se localizava próximo às falésias, em especial, na parte de cima, ou pela construção civil, houve a morte desse ambiente natural. No referido espaço, os turistas, além de todos os encantos naturais do local, banhavam-se e se lambuzavam na argila, tida por especialistas e moradores da região, como medicinal. Com o extermínio da lagoa, ficou uma lacuna, um déficit em relação a espaços de exploração do turismo na cidade.

A Lagoa Azul é só um entre tantos exemplos que corroboram que o turismo de Porto Seguro, infelizmente, ainda está alicerçado na vertente positivista de concepção de subjugação da natureza. No entanto, outro turismo é possível, arvorado nos princípios da sustentabilidade, com o uso dos espaços a partir do princípio do cuidado e da utilização responsável. Acerca do cuidado, Boff (2013, p. 157), pontua o seguinte: “O cuidado com a Terra representa o Global. O cuidado com o próprio nicho ecológico representa o local. O ser humano tem os pés no chão (local) e a cabeça aberta para o infinito (global). O coração une chão e infinito, abismo e estrelas, local e global. A lógica do coração é a capacidade de encontrar a justa medida e construir o equilíbrio dinâmico.”. O referido equilíbrio dinâmico ainda é viável em Porto Seguro, mas esse fator demanda rupturas nas bases de pensar o turismo na região. Caso ocorram essas rupturas no que tange aos paradigmas operantes exploratórios nas atividades turísticas na cidade, nascerá outro turismo, mais sustentável, e, portanto, justo social e ambientalmente.

A partir de Boff e do princípio do cuidado, é possível fazer ponte com o turismo em Porto Seguro e externar que todos os atores envolvidos com essa atividade na cidade desenvolverão visões e concepções sustentáveis de relação com o capital natural que a região possui e, dessa forma, preservarão os recursos dos quais o turismo se apropria para as gerações futuras.

Como já fora mencionado, outro turismo é possível, mas, para isso, são necessários investimentos em políticas públicas relacionadas à educação ambiental na cidade, para a conscientização socioambiental não somente dos cidadãos que atuam diretamente no turismo, mas, também, dos moradores da cidade e, principalmente, dos turistas que visitam Porto Seguro e toda a Costa do Descobrimento.

Na educação ambiental reside a solução para o surgimento de outro design mental para a prática do turismo, mas tal fator somente se concretizará se a gestão pública local, em parceria com o Estado e com a esfera federal, investir em cursos de formação nos espaços formais e informais de educação na cidade, com vistas à formação de ecocidadãos multiplicadores de práticas e ações sustentáveis no turismo e em outras matrizes de produção na cidade e na região.

Aliada à Educação Ambiental, medidas de controle, fiscalização e monitoramento das praticas turísticas, políticas de valorização da mão de obra e do cidadão, como investimento em educação em perspectivas lato sensu, cultura, lazer, esporte, trabalho, saúde e combate à violência são essenciais para a preservação e para a conservação das riquezas naturais e, consequentemente, da biodiversidade na cidade. Enfim, é impossível pensar a sustentabilidade nas ações e nas práticas turísticas na cidade sem intervenções nas questões que foram mencionadas acima.

Referências bibliográficas

BOFF, Leonardo. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela terra. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BOFF, Leonardo. A grande transformação: na economia, na política e na ecologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SANTANA, Elissandro dos Santos. Sugestão de pesquisa em torno das ações insustentáveis e déficits socioambientais no turismo de Porto Seguro-Bahia. Paripiranga: Revista Letrando ISSN 2317-0735, 2016.

1 Especialista em sustentabilidade, desenvolvimento e gestão de projetos sociais; especialista em gestão educacional; especialista em linguística e ensino de línguas; especialista em metodologia do ensino de língua espanhola, graduado em letras – línguas estrangeiras modernas, língua e literatura espanhola e Membro Editorial da Revista Letrando.

Fonte: EcoDebate.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.