Câmara rejeita destaques da oposição e conclui projeto de privatização do saneamento

Projeto facilita privatização de serviços de água e esgoto mesmo que contratos de prefeituras com estatais estejam em andamento

Foto: reprodução TV Brasil

São Paulo – A Câmara concluiu ontem (17) a votação do marco legal do saneamento básico no país, por meio do Projeto de Lei (PL) 4.162/19. O projeto do Executivo, que altera a Lei 9.984, de 2000, facilita a privatização de estatais do setor, exige licitação para a contratação desses serviços e prorroga o prazo para o fim dos lixões no país.

Os representantes do campo progressista são frontalmente contra o PL, que tem ênfase nas privatizações dos serviços de água e esgoto, enquanto as camadas mais pobres da população não dispõem desses serviços. Segundo Manuela d’Ávila (PCdoB), ex-candidata à vice-presidência nas eleições do ano passado, 57 milhões de brasileiros não têm acesso à rede de esgoto e 24 milhões não têm água encanada. “Qual interesse terá a iniciativa privada em levar água e esgoto a essas pessoas?”, questiona em seu perfil no Twitter.

Leia mais: Nota de repúdio dos estudantes pelas demissões na Unochapecó

O substitutivo aprovado em plenário não impõe limites à privatização. Prevê que os atuais contratos de municípios com estatais de saneamento (contratos de programa), geralmente estaduais, serão mantidos até o fim do prazo pactuado, mas poderão ser substituídos em caso de privatização da empresa. Ao concluir a votação, o plenário rejeitou, por 223 votos a 35, destaque do PCdoB ao projeto e manteve no texto dispositivo que permite a substituição de contratos de programa por outros quando da privatização de estatais de saneamento.

Também foi rejeitado, por 290 votos a 34, emenda do deputado Luizão Goulart (Republicanos-PR) que pretendia conceder desconto de 40% na tarifa de água e esgoto para famílias de baixa renda se o gasto fosse de até 10 mil litros mensais.

“A gente vota não à privatização da água e do saneamento, e é uma vergonha o que acontece aqui na Câmara mais uma vez, é o Estado mínimo para a população e o máximo do lucro para aqueles que transformam  tudo em mercadoria. Vida não é mercadoria”, afirmou a deputada Maria do Rosário (PT-RS) no dia 11, quando o projeto foi aprovado em plenário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.