Café AntiColonial: A Outra Informação no Oeste Catarinense

Publicado em: 07/12/2017 às 20:13
Café AntiColonial: A Outra Informação no Oeste Catarinense

Por Claudia Weinman, para Desacato. info. 

O Café AntiColonial é uma realização da Cooperativa Comunicacional Sul e do Portal Desacato. No Oeste do estado ele recebe apoio da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) e Pastoral da Juventude Rural (PJR), organizações que garantem a estrutura dessa atividade.  

 

Nesse ano, mais de 150 pessoas participaram do ato político e posteriormente, do café, com comidas trazidas da roça, produzidas pelos/as camponeses/as da região. De início, no domingo (03), uma mística com a letra da canção “Caravelas”, do trovador Pedro Pinheiro, foi interpretada para a abertura da noite. Os versos trazem elementos da sociedade atual, mostrando que os golpes e perdas são reflexos da estrutura colonial que sempre predominou.  

A esse som, juntou-se uma homenagem para as famílias que foram despejadas do acampamento Marcelino Chiarello, entre Faxinal dos Guedes e Xanxerê, ainda no mês de novembro. Lágrimas se misturaram, pois a terra é um direito dos povos.  

Na composição da mesa política, Raul Fitipaldi (Portal Desacato), Jilson Souza (Associação Paulo Freire de Cultura e Educação Popular – Apafec), Charles Reginatto (Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA), Jacson Santana (Conselho Indigenista Missionário – CIMI) e Claudia Weinman (Pastoral da Juventude do Meio Popular – PJMP e Portal Desacato), somaram falas sobre a importância da Outra Informação, da necessidade de unificar as realidades na compreensão do Jornalismo de Classe, de uma comunicação que tem se tornado indentitária para os/as trabalhadores/as do Oeste Catarinense.  

Uma noite que fez a comunidade pensar sobre o que estamos fazendo para deixar de alimentar o inimigo e realmente assumir a comunicação como elemento estratégico de todo processo de transformação da realidade. Quando apresentado o JTT (Jornal dos/as Trabalhadores/as), mais um vídeo documental de onde A Outra Informação esteve nesses três anos de interior e os projetos para 2018, parece, ao menos, que alguma coisa mudou na forma de ver e pensar esse projeto.  

Cabe  à comunidade, as organizações incentivarem e contribuírem com essa construção, bem como já têm acontecido em alguns espaços organizacionais. E aos Jornalistas, comunicadores/as que no interior seguem realizando o trabalho, a segurança aumenta, mais gente sabe da gente, mais gente conhece o trabalho, mais gente protege o que se faz. Então, para finalizar, nos compete agradecer por essa unidade que vai se estabelecendo, dizer obrigada/o a quem viajou de longe, a quem sempre está perto, somando.

Por São Miguel do Oeste e região vamos permanecer.

É preciso apoiar o Jornalismo independente, o único que diz, sem mascarar, de que lado está.

Saiba como apoiar:

Quer saber o que rolou no dia 03 de dezembro, em São Miguel do Oeste? Acessa aí:

Fotos: Julia Saggioratto, Paulo Fortes, Claudia Weinman.

Deixe uma resposta