Café AntiColonial: A Outra Informação no Oeste Catarinense

Por Claudia Weinman, para Desacato. info. 

O Café AntiColonial é uma realização da Cooperativa Comunicacional Sul e do Portal Desacato. No Oeste do estado ele recebe apoio da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP) e Pastoral da Juventude Rural (PJR), organizações que garantem a estrutura dessa atividade.  

 

Nesse ano, mais de 150 pessoas participaram do ato político e posteriormente, do café, com comidas trazidas da roça, produzidas pelos/as camponeses/as da região. De início, no domingo (03), uma mística com a letra da canção “Caravelas”, do trovador Pedro Pinheiro, foi interpretada para a abertura da noite. Os versos trazem elementos da sociedade atual, mostrando que os golpes e perdas são reflexos da estrutura colonial que sempre predominou.  

A esse som, juntou-se uma homenagem para as famílias que foram despejadas do acampamento Marcelino Chiarello, entre Faxinal dos Guedes e Xanxerê, ainda no mês de novembro. Lágrimas se misturaram, pois a terra é um direito dos povos.  

Na composição da mesa política, Raul Fitipaldi (Portal Desacato), Jilson Souza (Associação Paulo Freire de Cultura e Educação Popular – Apafec), Charles Reginatto (Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA), Jacson Santana (Conselho Indigenista Missionário – CIMI) e Claudia Weinman (Pastoral da Juventude do Meio Popular – PJMP e Portal Desacato), somaram falas sobre a importância da Outra Informação, da necessidade de unificar as realidades na compreensão do Jornalismo de Classe, de uma comunicação que tem se tornado indentitária para os/as trabalhadores/as do Oeste Catarinense.  

Uma noite que fez a comunidade pensar sobre o que estamos fazendo para deixar de alimentar o inimigo e realmente assumir a comunicação como elemento estratégico de todo processo de transformação da realidade. Quando apresentado o JTT (Jornal dos/as Trabalhadores/as), mais um vídeo documental de onde A Outra Informação esteve nesses três anos de interior e os projetos para 2018, parece, ao menos, que alguma coisa mudou na forma de ver e pensar esse projeto.  

Cabe  à comunidade, as organizações incentivarem e contribuírem com essa construção, bem como já têm acontecido em alguns espaços organizacionais. E aos Jornalistas, comunicadores/as que no interior seguem realizando o trabalho, a segurança aumenta, mais gente sabe da gente, mais gente conhece o trabalho, mais gente protege o que se faz. Então, para finalizar, nos compete agradecer por essa unidade que vai se estabelecendo, dizer obrigada/o a quem viajou de longe, a quem sempre está perto, somando.

Por São Miguel do Oeste e região vamos permanecer.

É preciso apoiar o Jornalismo independente, o único que diz, sem mascarar, de que lado está.

Saiba como apoiar:

Quer saber o que rolou no dia 03 de dezembro, em São Miguel do Oeste? Acessa aí:

Fotos: Julia Saggioratto, Paulo Fortes, Claudia Weinman.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.