Caçando infiltrados

Desde 1980l Eveline Lubbers se dedica a desmascarar policiais infiltrados. Foto: Reprodução/NewsPeeks
Desde 1980, Eveline Lubbers se dedica a desmascarar policiais infiltrados. Foto: Reprodução/NewsPeeks

Por Natália Viana, Agência Pública.

A repórter investigativa Eveline Lubbers é especializada em caçar policiais infiltrados no meio de organizações civis. Isso mesmo: desde 1980, essa holandesa se dedica a desmascarar policiais infiltrados, P2, paisanos, ou como você quiser chamar os elementos de forças de segurança que fingem ser civis para obter informações sobre grupos de pessoas que se unem para fazer alguma reivindicação social. Fundadora do Undercover Research Group, na Inglaterra, ela acompanhou de perto o famigerado caso de um policial que foi infiltrado durante setes anos no movimento ambientalista londrino. “Depois dele, muitos outros casos surgiram e percebemos que teríamos que ter uma organização para dar conta”, explica. Nessa entrevista, ela revela como é ser caça-P2 e dá dicas para os ativistas brasileiros.

O que a levou a investigar policiais infiltrados?

Isso foi na Holanda, em Amsterdã, nos anos 1980. Eu era parte do movimento squatter, e claro que nós tínhamos muitos problemas com a polícia porque ocupávamos casas vazias. Em certo momento, eles começaram a tentar obter informações através de informantes ou de agentes infiltrados. Foi assim que eu comecei a apoiar ativistas com informações sobre como a polícia e as agências de inteligência agem: nós conversávamos com pessoas que foram procuradas pela polícia para se tornar informantes e as ajudávamos a lidar com isso.

Como isso se tornou uma profissão?

Nós fundamos um pequeno grupo investigativo em Amsterdã, Janssen en Janssen – o nome dos detetives do Tintin, em holandês. Era um nome engraçado porque nós estávamos lidando com paranoia, coisas negativas, e queríamos adicionar um pouco de diversão. Conseguimos trabalhar apenas nisso com doações e com salários modestos. E mais tarde começamos a descobrir infiltrados que vinham de grandes corporações também. Aquilo ampliou nossa base de pesquisa. Em 2002, eu escrevi um livro sobre como as corporações lidam com ativistas, que tipo de estratégias elas usam, e depois, com outras pessoas, fundei a Spinwatch, um site de monitoramento de empresas. Mas depois disso eu voltei para fazer o que eu gosto, que é investigar como a polícia tem se infiltrado em movimentos sociais. Foi quando eu escrevi o livro Secret manoeuvres in the dark [“Manobras secretas no escuro”].

Como era essa infiltração por corporações?

Ao longo das décadas houve casos diferentes. Em vários casos, os infiltrados fingiam ser jornalistas para fazer vídeos. Por exemplo: nos anos 1990, havia uma grande campanha contra a Shell, que queria jogar uma plataforma de petróleo de 14 mil toneladas no oceano Atlântico – o que as pessoas acharam uma péssima ideia –, ao mesmo tempo, havia protestos na Nigéria, e os militares decidiram enforcar alguns ativistas; a Shell foi acusada de não ter agido contra isso. Então havia dois grandes movimentos contra eles. Eles contrataram uma das primeiras empresas especializadas em descobrir o que as pessoas estavam fazendo online e também uma empresa privada de investigação fundada por um ex-agente da inteligência. Essa empresa chamou um freelancer que fingiu ser um documentarista que fazia um filme sobre o Greenpeace e a sua luta contra a Shell. Ele teve acesso fácil a todos os tipos de grupos. Trabalhava também para a inteligência alemã, espionando grupos radicais na Alemanha e na Itália. E só descobrimos porque os grupos ativistas começaram a desconfiar dele.

Como você fundou a organização Undercover Research Group na Inglaterra?

Cinco anos atrás, aconteceu a mesma coisa: alguns grupos ambientalistas de Londres começaram a desconfiar de uma pessoa que estava entre eles havia muitos anos. Eles descobriram que era um integrante da polícia disfarçado e o denunciaram.  Seu nome é Mark Kennedy, e ele ficou durante 5 anos infiltrado, agindo como policial, e mais dois como espião corporativo dentro de grupos ambientalistas. Depois ele tentou fazer dinheiro com essa história, contratou um profissional de RP, e tentou vender sua experiência para empresas de inteligência corporativa nos EUA, sem muito sucesso. Depois de Mark, mais e mais histórias começaram a aparecer. E todas foram investigadas pelos próprios ativistas, com a ajuda de jornalistas e whistleblowers [ex-policiais que denunciaram os casos]. Assim descobrimos que havia na polícia londrina duas unidades dedicadas a monitorar ativistas. Uma delas começou em 1968, com os protestos contra a Guerra do Vietnã. Ou seja, esse trabalho já acontecia havia muito tempo.

Essas infiltrações ainda ocorrem?

Não sabemos. Sabemos que aconteceram até muito recentemente, até 2011. E quando essa unidade da polícia foi denunciada houve uma reorganização. Mas não temos como saber se ainda não acontece.

Que tipos de movimentos eram infiltrados?

Todos os tipos. Um dos argumentos da polícia é que eles têm que fazer isso para conter ativistas radicais ou violentos, mas, se você olha para o tipo de organizações que eles infiltraram, são grupos de defesa do meio ambiente, famílias de pessoas negras que morreram nas mãos da polícia, direitos dos animais, movimento antiapartheid, grevistas… o que você puder imaginar. A maioria são grupos de esquerda. Mas, como a unidade já existia, então, se o movimento antiguerra perdesse a importância, eles só decidiam qual seria o próximo que eles iam espionar.

Alguns desses espiões se envolveram profundamente nesses movimentos, certo?

A maioria deles vivia uma vida de ativistas por cinco anos e ficavam totalmente envolvidos nessa vida. Viviam em casas ocupadas, iam para festas. A maioria deles eram homens, então mantinham relacionamentos com mulheres, em alguns casos tiveram até filhos. E um dia desapareciam da vida dessas pessoas, porque a missão acabava depois de cinco anos. Conseguimos detectar um padrão na maneira como iam embora. No final, fingiam que tinham um colapso nervoso, problemas psicológicos; então, essas mulheres ficavam preocupadas, cuidavam muito deles, com medo de que algo acontecesse. Eles diziam: “Preciso de mais espaço, preciso reorganizar a minha vida, e vou para o exterior, para a Europa ou África do Sul”. Era assim que desapareciam.

Qual era o impacto disso sobre essas mulheres?

Para todos os amigos, era uma tremenda quebra de confiança, e para elas, pior ainda. Para essas mulheres, isso foi um problema emocional, muitas passaram muito tempo procurando seus antigos parceiros. A maioria delas têm problemas em confiar em pessoas. Se você tem um parceiro íntimo e de repente descobre que ele é um policial, é um choque. E normalmente eram casados nas suas outras vidas. Oito dessas mulheres processaram a Polícia Metropolitana de Londres, um processo civil, pedindo indenização. E tem sido um processo muito longo e demorado porque a polícia não queria admitir o que tinha feito. Depois de quatro ou cinco anos, finalmente aceitou negociar e houve um acordo e um pedido de desculpas oficial.

Qual foi o valor da indenização?

O valor não é público, mas eu sei que há outro caso, separado, de uma mulher que teve um filho com um policial infiltrado, e ela está pedindo 325 mil libras (cerca de R$ 1,3 milhão) em indenização.

Esse tipo de ação policial gera paranoia nos ativistas?

Sim, deixa as coisas mais difíceis. Porque, de um lado, essas organizações querem ser abertas a novos membros, querem crescer, e, de outro, fica difícil receber bem pessoas novas.

Lubbers levou a Undercover Research Group à Inglaterra após denúncias de que havia um policial infiltrado no movimento ambientalista londrino. Foto: Flickr/David B Young
Lubbers levou a Undercover Research Group à Inglaterra após denúncias de que havia um policial infiltrado no movimento ambientalista londrino. Foto: Flickr/David B Young

Você acha que houve um crescimento desse tipo de estratégia com os protestos massivos que aconteceram desde 2011 pelo mundo?

O que cresceu foram as denúncias desses fatos. Eu acho que sempre aconteceu, mas agora as pessoas estão mais conscientes e sabem como descobrir os infiltrados. Nós, do Undercover Research Group,alcançamos tanta expertise que, se tem alguém que suspeita de estar lidando com infiltrados, hoje ou no passado, podemos ajudá-lo a investigar.

Por que você faz o que faz?

Eu acho que em uma democracia as pessoas têm direito a protestar e a ter as próprias opiniões. Se você quer mudar as coisas que estão erradas, algumas vezes tem que violar a lei, ocupar lugares, protestar. Esse é o poder da democracia. Se há um Estado secreto, se os movimentos de protesto estão sendo infiltrados e enfraquecidos, isso é muito perigoso para a democracia – ou o que resta dela hoje em dia.

Em Londres, a polícia não queria ser transparente sobre o que aconteceu. Nos primeiros anos, houve uma série de investigações internas, mas os relatórios nunca apareciam. Descobrimos que alguns policiais usavam as identidades de crianças que morreram cedo. E isso foi um grande escândalo, dezenas de nomes de crianças foram usadas, e no final foi muito importante que nós continuássemos fazendo essa pesquisa e levando essas histórias aos jornais, para manter a pressão sobre a polícia. Para mim, isso é um motivo importante para continuarmos a publicar essas histórias.

Qual o seu conselho para os movimentos de protestos no Brasil?

Se você tem uma suspeita, faça uma investigação rápida e minuciosa. É muito importante não começar a espalhar rumores. Você tem que juntar um grupo de pessoas para investigar a identidade desse sujeito. Procure saber se o nome que a pessoa dá é correto, se ele diz que é da mídia independente, qual é a mídia, pergunte se ele tem contatos com quem você pode falar, cheque o número de identidade dele e se as pessoas que ele dá como referências o conhecem mesmo. Se você tem a prova, então publique isso, dê publicidade, registre uma queixa oficialmente. Fique forte e não ceda à paranoia.

Fonte: Agência Pública.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.